Vacinação contra a Covid-19. Saiba quais são as incertezas e as certezas do Governo

O plano de vacinação em Portugal será apresentado na quinta-feira.

O plano de vacinação de Portugal contra a Covid-19 será apresentado já esta quinta-feira, numa altura em que ainda há algumas incertezas sobre a vacina. O montante investido pode chegar aos 200 milhões de euros por 22 milhões de vacinas, mais do dobro da população portuguesa, garantiu a ministra da Saúde, Marta Temido, no final da reunião do Governo sobre o plano de vacinação.

"Aquilo que estimamos que possa vir a ser o montante global associado às vacinas para o nosso país poderá atingir os 200 milhões de euros e ultrapassar as 22 milhões de doses de vacinas", revelou Marta Temido.

Estas são algumas das certezas numa altura em que a incerteza sobre a eficácia da vacina, ensaios clínicos e a duração da imunidade ainda reinam. Até porque a eficácia e a imunidade ainda não foram avaliadas pela Agência Europeia do Medicamento. Tudo isto leva a governante a reconhecer que o "processo de vacinação vai ser longo".

"Como tal, durante vários meses do ano que vem teremos de garantir que não nos afastamos daquilo que é o cumprimento das regras que nos habituámos a manter até que possamos garantir a distribuição das vacinas que estimamos que possam ser disponibilizadas a partir do início do novo ano no nosso país", afirmou a ministra da Saúde.

Com a data indicada pela Bélgica - 5 de janeiro - para o início da vacinação a ser tomada como referência, Marta Temido refere que o rascunho do plano português já definiu, em função das vacinas disponíveis e possíveis quantidades, "quais são os grupos-alvo para a vacinação, onde será realizada a administração, onde será feito o registo eletrónico da vacinação, os aspetos relacionados com a logística e segurança de todo este processo e também os aspetos da comunicação".

As expectativas do Governo são elevadas mas, para já, sabe-se que os dados disponíveis não recomendam a vacinação de crianças e grávidas.

Outra das certezas, garantida por Marta Temido, é que a vacina contra a Covid-19 será "facultativa e gratuita" em Portugal e distribuída através do Serviço Nacional de Saúde. A ministra da Saúde antecipa desde já um primeiro momento de "maior escassez no acesso a vacinas" em Portugal, com o Governo a admitir um cenário de "maior abrangência" no decorrer de 2021.

LEIA AQUI TUDO SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de