Variante Ómicron representa 98% dos casos no Médio Tejo

Até 6 de janeiro, na área de influência dos hospitais do Centro Hospitalar Médio Tejo, foram detetadas 896 infeções por esta variante.

A variante Ómicron é responsável por 98% dos casos positivos de infeção por Covid-19 detetados na primeira semana do ano pelo laboratório do Serviço de Patologia Clínica do Centro Hospitalar Médio Tejo (CHMT), foi este domingo anunciado.

Da análise em tempo real efetuada pelo laboratório daquele serviço a a todas as amostras positivas foi possível apurar que até 06 de janeiro, na área de influência dos hospitais do CHMT, que servem 250.000 utentes, se registaram oito internamentos em cuidados intensivos Covid-19, dos quais apenas um doente infetado com a variante Ómicron, -- que, entretanto, já teve alta para enfermaria.

"Os dados recolhidos e analisados pelo CHMT demonstram também que a variante Ómicron passou a ser a predominante na região do Médio Tejo a partir de 21 de dezembro", indicou a instituição em comunicado.

O laboratório de Patologia Clínica está a realizar a deteção de Ómicron desde 12 de dezembro. Desde essa data, e até dia 06 de janeiro, foram detetadas 896 infeções por esta variante.

Mais de metade dos casos (53%) verificou-se em pessoas na faixa etária dos 20 aos 49 anos. Uma fatia de 19% dos casos detetados corresponde à faixa etária acima dos 60 anos (e apenas 9% dos casos positivos aconteceu utentes mais idosos, acima dos 80 anos), de acordo com a informação oficial.

"Os mais novos, com idade inferior a 20 anos representam 15% dos casos de variante Ómicron detetados", segundo a mesma fonte.

O diretor do Serviço de Patologia Clínica do CHMT, Carlos Cortes, citado no documento, destacou dois aspetos que se evidenciam dos dados de infeção por Covid-19 recolhidos e analisados: um "avanço impressionante da variante Ómicron", que ilustra a capacidade de contágio, e o facto de a grande maioria dos pacientes apresentar sintomas ligeiros.

O clínico sublinhou que em pouco menos de um mês, se passou de uma média diária de 10% de variante Ómicron e 90% de variante Delta, para uma média de 98% de Ómicron e 2% de Delta.

Advertiu também que estas evidências "não podem transmitir à população uma falsa sensação de proteção ou segurança face à evolução da pandemia", pelo que é "essencial manter os cuidados de prevenção", como a utilização de máscara, evitar grandes aglomerações e manter o distanciamento recomendado nas atividades do quotidiano, a par do reforço da vacinação.

LEIA AQUI TUDO SOBRE A COVID-19

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de