Apedrejamento e carga policial durante ação de campanha de Ventura em Setúbal

Várias pessoas foram detidas e um repórter de imagem da TVI ficou ferido.

O candidato presidencial do Chega foi esta quinta-feira apedrejado à saída de um comício no Cinema Charlot em Setúbal por algumas dezenas de manifestantes, na sua maioria cidadãos de etnia cigana.

O corpo de intervenção da Polícia de Segurança Pública esteve no local e forçou os manifestantes a dispersarem, em ambiente de grande tensão, exibindo os bastões.

Os manifestantes gritavam "fascista" e "racista" e quando André Ventura chegou atiraram-lhe um isqueiro e um ovo. À saída o cenário piorou, mas nenhum objeto acertou em André Ventura.

À TSF, o comandante distrital, Viola Silva, disse que foram também arremessados "objetos metálicos cortantes".

O comandante garante que a polícia agiu de acordo com a lei e que só usou a força quando necessário para "limpar a rua".

Logo após o arremesso de pelo menos uma pedra e outros objetos, os seguranças privados de André Ventura protegeram o candidato presidencial até ao interior de uma viatura, que arrancou do local.

As candidatas presidenciais Ana Gomes e Marisa Matias já reagiram aos acontecimentos. Ana Gomes diz ser "contra qualquer tipo de protesto violento contra qualquer candidato" e diz não aceitar que alguém atue de forma violenta em seu nome.

No mesmo plano, Marisa Matias diz que "não se derrota o ódio com violência" e lembra que a extrema-direita deve ser vencida "na luta democrática".

Também o candidato apoiado pela Iniciativa Liberal (IL), Tiago Mayan, recorreu ao Twitter para reagir.

"Condeno totalmente qualquer forma de violência, ameaça ou coação, venham de onde vierem, dirijam-se a candidatos, jornalistas ou quaisquer outros cidadãos", escreveu Tiago Mayan Gonçalves.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de