"Viabilidade técnica" de uma ponte rodoviária e ferroviária sobre Douro "comprovada"

O JN avançou na segunda-feira que em vez de duas novas pontes sobre o rio Douro, a solução que está a ser negociada passa por "apenas uma ponte com dois tabuleiros: um para o comboio de alta velocidade e outro rodoviário".

A Infraestruturas de Portugal (IP) avançou esta quarta-feira que a construção de uma única nova ponte rodoviária e ferroviária sobre o rio Douro é uma solução cuja "viabilidade técnica" está "comprovada", mas a decisão caberá aos autarcas e à tutela.

"Do ponto de vista financeiro é muito mais barato fazer uma ponte do que duas pontes [sobre o rio Douro, ligando o Porto e Gaia]. A viabilidade técnica da fusão das duas pontes está comprovada. Esta é uma solução totalmente viabilizada. Será uma decisão dos senhores autarcas [do Porto e de Vila Nova de Gaia] e do senhor ministro [das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos]", disse Carlos Fernandes, do conselho de administração da IP.

No Porto, no terminal ferroviário de Campanhã onde esta manhã está a ser apresentado o projeto de alta velocidade para ligação de Lisboa ao Porto e do Porto a Vigo, em Espanha, Carlos Fernandes avançou que a decisão será tomada nas próximas semanas.

Para levar a cabo o projeto de TGV, uma promessa com décadas e que esta quarta-feira é apresentado pelo primeiro-ministro, António Costa, a IP precisa de construir uma ponte sobre o rio Douro, tendo o responsável referido que é necessário ir ao encontro das estações de Campanhã, no Porto, e de Santo Ovídio, em Gaia.

"Veio a calhar no alinhamento de uma ponte à cota baixa que está a ser estudada pelas autarquias do Porto e de Gaia", admitiu Carlos Fernandes.

Na segunda-feira, o presidente da Câmara do Porto disse fazer "mais sentido para o interesse público" que as novas pontes rodoviária e ferroviária no rio Douro culminem numa "ponte com dupla utilização", aguardando, no entanto, o anúncio do primeiro-ministro.

"Vamos ver o que nos vai ser apresentado esta quarta-feira. O primeiro-ministro e o ministro das Infraestruturas vêm cá [ao Porto] (...). Vamos ver, se de facto houver a possibilidade de construir uma ponte de dupla utilização provavelmente faz mais sentido para o interesse público", afirmou Rui Moreira, à margem da reunião do executivo.

O Jornal de Notícias avançou na segunda-feira que em vez de duas novas pontes sobre o rio Douro, a solução que está a ser negociada entre a Câmara do Porto, Câmara de Gaia e a Infraestruturas de Portugal (IP) passa por "apenas uma ponte com dois tabuleiros: um para o comboio de alta velocidade e outro rodoviário".

Nessa data, Rui Moreira adiantou que a proposta da IP ainda não tinha chegado à Câmara do Porto, mas que, numa reunião com o ministro Pedro Nuno Santos, o secretário de Estado e a Câmara de Gaia foram avisados de que estava a ser pensado "um percurso diferente" à solução inicialmente proposta para a ponte de alta velocidade.

"A partir daí, começámos a pensar que de facto o que estávamos a fazer relativamente à ponte [D. António Francisco dos Santos] - e de facto está bastante avançado - tem de ser analisado em função do que possa vir a ser uma decisão sobre a ponte ferroviária, porque não faz sentido as pontes cruzarem", referiu.

Contactado pela agência Lusa, o presidente da Câmara de Vila Nova de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, não quis comentar.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de