"Violência muito grande" para moradores. Junta de Santa Maria Maior contesta filmagens da Netflix

As filmagens para a Netflix vão prolongar-se durante oito noites seguidas, algo que o Presidente da Junta de Freguesia diz que vai "implicar ruído", visto que corresponde a "um filme de ação". Em declarações à TSF, Miguel Coelho propõe que seja encontrada uma "alternativa que seja aceitável".

A Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, em Lisboa, manifestou apreensão e oposição face à possibilidade de ocupação do espaço público num plano de filmagens noturnas previsto numa produção para a Netflix. Estas filmagens - oito noites seguidas e dois dias - causarão um impacto negativo na qualidade de vida, no direito ao descanso e tranquilidade e no direito à mobilidade dos moradores das zonas contempladas.

Miguel Coelho, o presidente da Junta, diz à TSF que não está contra as filmagens, mas sim contra os constrangimentos que elas podem provocar numa freguesia com uma população envelhecida.

"Filmar durante oito noites seguidas é uma violência muito grande para quem ali reside e tem família, pessoas idosas e crianças, porque isto implica, naturalmente, ruído. As filmagens correspondem a um filme de ação, mete perseguições de automóveis, tiros, choques entre carros, escada acima, escada abaixo. Certamente tudo muito espetacular, mas oito noites seguidas é algo que é impensável para mim enquanto presidente da Junta, porque isto implica cortes de ruas, de quarteirões, o fim de estacionamento à superfície durante vários dias. A Junta não pode aceitar que isto seja assim como os senhores pretendem", explica.

O presidente da Junta de Santa Maria Maior propõe uma solução.

"A solução é nós termos uma reunião de trabalho séria e que estas filmagens possam ser, porventura, distribuídas um pouco pela cidade e não sejam todas no mesmo sítio. Terá de se encontrar uma alternativa que seja aceitável", afirma.

Miguel Coelho espera que a Câmara Municipal de Lisboa "assuma a condução deste processo em diálogo com a Junta de Freguesia e com a produtora".

A Junta de Freguesia de Santa Maria Maior não tem, no âmbito das suas competências legais, poderes para impedir estas filmagens tal como estão previstas. Trata-se de uma competência exclusiva da Câmara Municipal de Lisboa. Por isso, a Junta lamenta que o Presidente da Câmara Municipal de Lisboa tenha já manifestado o seu entusiasmo pela sua realização, sem primeiro conhecer a opinião ou o parecer da Junta de Freguesia.

Este desencontro ocorre no preciso dia em que a Assembleia Municipal de Lisboa discute o futuro da Baixa lisboeta, num debate que abrange temas tão diversos como as alterações demográficas na zona histórica e o fim da proteção no arrendamento. A freguesia de Santa Maria Maior é uma das que perdeu mais população, cerca de 21% nos últimos dez anos.

Outro tema em discussão na Assembleia Municipal desta terça-feira é o da diminuição do comércio local. Segundo os números da Associação de Dinamização da Baixa Pombalina, são mais de 110 as lojas fechadas na sequência da pandemia.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de