Zero ataca obras no aeroporto de Lisboa: "É um aumento de capacidade encapotado"

Associação ambientalista acusa ANA - Aeroportos de Portugal de estar a aumentar a capacidade do aeroporto "à socapaca", sem uma avaliação dos impactos ambientais das obras.

A associação ambientalista Zero aplaude o encerramento noturno do aeroporto de Lisboa a partir de janeiro, mas ataca as obras no local previstas pela ANA - Aeroportos de Portugal, que considera que terão consequências ambientais ainda não avaliadas.

Esta terça-feira, a a ANA - Aeroportos de Portugal anunciou que o Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, vai estar temporariamente encerrado entre as 23h30 e as 5h30 a partir de janeiro do próximo ano e até junho. O motivo são as "obras para a criação de duas saídas rápidas de pista" do aeroporto, que, segundo a ANA, têm por objetivo a melhoria "da eficiência da operação" e a "maior fluidez na circulação dos aviões, redução dos percursos e das emissões de CO2".

Francisco Ferreira, dirigente da Zero, sublinha que este pode ser um aumento "encapotado" da capacidade de movimentos no aeroporto e que, para isso, seria necessária uma "avaliação de impacto ambiental.

"Vão haver mais descolagens e mais aterragens, potencialmente, porque as saídas rápidas permitirão isso mesmo", aponta Francisco Ferreira. "De acordo com a legislação, é muito claro que este aumento de capacidade encapotado acaba por não ser alvo de qualquer pronunciamento por parte da Agência Portuguesa do Ambiente nem de qualquer avaliação em termos das suas consequências."

A associação ambientalista considera mesmo que, ao fazer obras sucessivas no aeroporto de Lisboa, a ANA poderá estar a querer evitar uma avaliação ambiental à expansão do aeroporto.

"A expansão [do aeroporto] da Portela significa um aumento de capacidade muito mais significativo do que a própria construção do aeroporto do Montijo. Fazendo obras sucessivas e individualizadas, vai-se aumentando esta capacidade sem haver uma abordagem do plano geral de expansão - que não existe, aliás, neste momento", concluiu.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de