Zero pede criação mecanismos para política climática "coerente e consistente"

Apoio de Marcelo Rebelo de Sousa à declaração de situação de emergência climática no país agrada aos ambientalistas

A Associação Ambientalista ZERO aplaude a intenção manifestada pelo Presidente da República de declarar situação de emergência climática no país.

O ambientalista Francisco Ferreira, ouvido pela TSF, reconhece que seria um passo importante para reconhecer que existe um problema no país mas alerta que esta não pode ser apenas uma declaração simbólica. O ideal seria até avançar mesmo com uma Lei do Clima.

A estratégia deve passar pela criação de uma "estrutura de acompanhamento, monitorização e de definição de medidas em linha com a política dos diferentes governos daqui para a frente", assegurando no entanto que a medida é "substantiva" e que a política climática é "coerente e consistente".

Esclarecido o cenário ideal, é preciso olhar para o que Portugal já está a fazer e que é, admite o ambientalista, positivo: "Tivemos um roteiro aprovado recentemente em Conselho de Ministros que tende para a neutralidade carbónica em 2050. É algo que tem vindo a ser discutido à escala da União Europeia mas, infelizmente, alguns estados bloquearam esse caminho que se espera que a Europa consiga fazer."

Os dados ambientais estão lançados. Resta saber se Portugal segue o caminho de Reino Unido e Irlanda, que já declaram situação de emergência climática.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados