Acontece no Brasil

Todas as quintas-feiras, o correspondente da TSF em São Paulo, João Almeida Moreira, assina a crónica Acontece no Brasil – um país onde a realidade e o insólito andam muitas vezes de mãos dadas.

Atriz pornográfica disposta a ajudar na CPI da Covid

Mia Khalifa, indiretamente citada por senador bolsonarista, tornou-se personagem da Comissão Parlamentar de Inquérito do Senado brasileiro. Já até se prontificou, em tom de piada, a depor.

A Comissão Parlamentar de Inquérito do Senado Federal brasileiro começou por investigar a responsabilidade do Governo Bolsonaro no caos no combate à pandemia. E, pelo meio, descobriu um esquema de corrupção no ministério da Saúde. Mas o mais curioso é que, entretanto, chamou a atenção de uma ex-atriz pornográfica, hoje influenciadora digital.

A libanesa Mia Khalifa começou por ser indiretamente citada numa intervenção do senador Luís Carlos Heinze, da chamada polícia de choque de Bolsonaro, por defender o Presidente, o uso de remédios ineficazes e outras bizarrias.

Citada por milhares no Brasil, ela advertiu logo no dia: "Não sou médica, então não aceite memes médicos falsos meus de WhatsApp como conselho".

Desde então, os senadores da oposição, em maioria na CPI, passaram a ironizar intervenções de Heinze.

Num desdobramento recente da CPI, descobriu-se que em vez de negociar diretamente com os laboratórios para aquisição de vacinas, como seria de esperar, o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello preferiu conversar com uma empresa de importação de tudo, incluindo produtos eróticos.

Foi o mote para o vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues, usar o Twitter para pedir ajuda, em tom de piada, a Mia Khalifa.

A ex-atriz, hoje uma relevante personalidade online dos Estados Unidos, voltou a reagir, bem-humorada. "Vocês estão em crise, estou a caminho!". E juntou uma fotomontagem dela a depor na CPI ao comentário.

A negligência e os esquemas corruptos para compra de vacinas do governo negacionista de Bolsonaro sao, no entanto, o lado verdadeiramente pornográfico da CPI.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de