Acontece no Brasil

Todas as quintas-feiras, o correspondente da TSF em São Paulo, João Almeida Moreira, assina a crónica Acontece no Brasil – um país onde a realidade e o insólito andam muitas vezes de mãos dadas.

Bingo para garimpeiros tem mulher como prémio

Confraternização de exploradores de ouro ilegal na Amazónia oferece pepitas ao vencedor. Um relógio ao terceiro classificado. E um ser humano para o segundo...

Por entre as notícias da execução de um indigenista brasileiro e de um jornalista inglês numa região da Amazónia que está nas mãos de traficantes, caçadores e pescadores ilegais e invasores de terras indígenas, surgiu o relato de um bingo organizado e destinado a garimpeiros onde um dos prémios é... uma mulher.

O grupo de Whatsapp "Amigos do Rio Uraricoera", principal via fluvial utilizada pelos garimpeiros na região da Terra Yanomani, no estado do Roraima, recebeu o anúncio de um evento chamado "Bingo da Nayara", a decorrer no "Cabaré do Taituba", cujo prémio para quem completar a cartela é 50 gramas de ouro - equivalente a uns 3000 euros.

O terceiro prémio é um relógio, mas o segundo chama mais a atenção - uma mulher.

O evento foi denunciado ao portal G1, da Rede Globo, que entrou em contacto com os organizadores. Eles disseram que "não vai ter mais bingo", provavelmente dada a repercussão negativa.

Revólveres e whisky também são prémios comuns noutros bingos de uma região que é um mundo paralelo. Há mini cidades erguidas por garimpeiros ilegais com restaurantes, dentistas e bares wifi em funcionamento, além de muitos cabarés, bordéis e festas de carnaval.

Os garimpeiros do Roraima vivem fora da lei pela exploração ilegal de ouro mas também por causarem desmatamento, poluição no rio e histórico de agressão às comunidades indígenas locais.

Em 2021, o garimpo ilegal causou a morte de 109 índios, segundo o relatório Conflitos no Campo Brasil, divulgado em abril pela Comissão Pastoral da Terra.

O indigenista Bruno Pereira e o jornalista Dom Phillips foram mortos no estado vizinho do Amazonas por, segundo as investigações, uma organização criminosa de pescadores ilegais com ligação ao narcotráfico.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de