Botequim

Botequim é um programa feito por mulheres, sobre mulheres. Aborda vários assuntos sob a perspetiva delas. É um espaço de diálogo e de escuta, para discutir desafios relacionados com a igualdade de género, através de entrevistas, conversas e histórias de mulheres que marcam a diferença. Cada programa vai abordar assuntos relacionados com política, educação, ciência, direitos humanos e o papel da mulher em cada um deles. Com Sara de Melo Rocha e Miguel Silva (sonoplastia).
Para ouvir na TSF à sexta-feira, depois as 23h, com repetição ao sábado depois das 10h. Versão alargada disponível em TSF.pt e em podcast.

Menos dinheiro, tempo e saúde. Eis a vida das mulheres no mercado de trabalho

Neste episódio do Botequim, constatamos que os problemas das mulheres no mercado de trabalho vão muito além do facto de receberem salários mais baixos do que os homens. Há desafios relacionados com a maternidade, doenças de trabalho que afetam mais as mulheres e o equilíbrio entre vida familiar e profissional.

Desde 10 de novembro que as mulheres estão a trabalhar sem receber salário em Portugal. Isto significa que, até ao final do ano, as mulheres estão virtualmente a trabalhar de graça devido à diferença de remunerações entre homens e mulheres em Portugal.

Essa diferença é de 52 dias de trabalho pago. Ou seja, os homens ganham mais 148 euros que as mulheres, correspondendo a mais 14%, de acordo com dados revelados pelo Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

A data vai mudando de ano para ano e chama a atenção para uma das grandes desigualdades no mercado de trabalho: as diferenças salariais em termos de género.

Na Europa é igual. As mulheres têm salários inferiores aos dos homens em praticamente todas as profissões. É uma desigualdade que se prolonga pela vida fora, de acordo com o estudo "Igualdade de Género ao Longo da Vida -- Portugal no contexto europeu", da Fundação Francisco Manuel dos Santos com coordenação de Anália Torres.

Esta situação é ainda mais gritante quando constatamos que, em média, elas são mais escolarizadas do que os eles mas quando entram no mercado de trabalho estão em desvantagem e têm empregos mais precários.

Mas enquanto esta discriminação é palpável, há outras realidades escondidas e mais difíceis de identificar.

É o caso do assédio laboral, das doenças profissionais, do trabalho não pago e da dificuldade em equilibrar vida privada e profissional.

A discriminação de género está nas agendas dos governos das instituições europeias está até bem protegido na lei mas de alguma maneira persistem as desigualdades sempre com a corda a rebentar do lado da mulher.

Neste episódio Botequim identificamos razões para as dificuldades que as mulheres enfrentam no mercado de trabalho e que mecanismos têm para se defender, contando com o contributo de:

Fátima Messias, coordenadora da Comissão para a Igualdade entre Mulheres e Homens da CGTP, é membro Conselho Nacional da confederação

Maria do Rosário Palma Ramalho, professora catedrática de direito do trabalho na Faculdade de Direito de Lisboa. Representa Portugal na Rede Europeia de Juristas em Igualdade de Género e Não-Discriminação da Comissão Europeia. É também presidente da APODIT, a Associação Portuguesa de Direito do Trabalho.

Sara Falcão Casaca, professora associada do ISEG, o Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade de Lisboa, especialista em desigualdades de género na esfera laboral. As suas investigações incidem sobretudo na Sociologia do Trabalho e Relações de Género.

____

Sobre o programa

Botequim, da autoria da jornalista Sara de Melo Rocha, é um programa feito por mulheres, sobre mulheres. Aborda vários assuntos sob a perspetiva delas. É um espaço de diálogo e de escuta, para discutir desafios relacionados com a igualdade de género, através de entrevistas, conversas e histórias de mulheres que marcam a diferença. Cada programa vai abordar assuntos relacionados com política, educação, ciência, direitos humanos e o papel da mulher em cada um deles.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de