Europa ao Centro

O centro do país está diferente. A TSF mostra o que mudou na região com os fundos da União Europeia Na cultura, na educação, no património, na ciência, na regeneração urbana, nas empresas, no turismo e na saúde. À 3ª e à 6ª feira, depois das 8h00. Uma parceria TSF/CCDRC- Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro. Projeto cofinanciado pelo Programa Centro 2020 e pela União Europeia.

Centro 2020. Fundos para o Turismo com foco em produtos diferenciados e valorização dos recursos endógenos

Desde o início do programa, o Centro 2020 apoiou o turismo com cerca de 90M€ em fundos europeus. Oeste Portugal PT.COM - Oeste Portugal Surfing Spot e a Rede das Aldeias do Xisto são dois dos projetos apoiados

Os apoios ao setor do Turismo foram dirigidos a um total de 296 projetos. Parte do investimento foi dirigido às empresas de alojamento, restauração ou animação turística, com projetos de 232 empresas apoiados a pensar na atração de visitantes. Houve também apoios para projetos públicos e privados de criação de novos produtos turísticos. O investimento chegou ainda a projetos associados à valorização dos recursos endógenos.

No Oeste surgiu o Oeste Portugal PT.COM - Oeste Portugal Surfing Spot. O projeto levou à região as maiores provas do mundo. Paulo Simões, o primeiro secretário da Comunidade Intermunicipal do Oeste, conta que o projeto utilizou o surf como promotor de uma rede entre os vários produtos que a região tem para oferecer. O responsável pela CIM dá o exemplo dos pais de jovens que visitam a região e diz que o objetivo é conseguir que essas pessoas possam "ir a uma quinta de enoturismo, à gastronomia, conhecer a serra de Montejunto, ir aos dinossauros".

Paulo Simões destaca também a taxa de execução da CIM, que manteve valores acima dos 95%. O primeiro secretário da CIM explica que o financiamento europeu construiu os alicerces para o projeto. A ideia é que os "projetos se comecem, eles próprios, a conseguir muscular", mas realça que sem o investimento comunitário haveria nesta fase "muitas dificuldades em ser competitivos com outras zonas do mundo."

Paulo Simões explica ainda que o próximo objetivo passa por criar eventos paralelos ao longo de todo o ano, com ofertas como debates e seminários relacionados com o surf.

A Rede das Aldeias do Xisto é outro projeto que tem beneficiado de investimento comunitário. Esta rede é constituída por 27 aldeias do interior da Região Centro de Portugal.

Rui Simão, diretor executivo da Agência para o Desenvolvimento Turístico das Aldeias do Xisto (ADXTUR), explica que a ideia é promover as condições de vida das populações e a relação com a natureza, numa ligação feita através do turismo. O responsável da ADXTUR diz que a rede trabalha "de forma transversal a gestão e a promoção dos recursos endógenos, criando motivações para atrair pessoas, capitais e conhecimento" para a região.

A Rede das Aldeias do Xisto nasceu no âmbito dos programas operacionais de fundos europeus. Rui Simão considera que "o Centro 2020 é estrutural naquilo que é a atuação das Aldeias do Xisto" e que essa aposta tem sido essencial para a manutenção do projeto.

Na retoma do turismo após a quebra com a pandemia, o diretor executivo da ADXTUR diz que a oferta para o verão está a ser pensada com destaque para os pequenos grupos, serviços de autonomia como o take-away e o usufruto das praias fluviais e dos percursos pedestres. Pode descobrir mais sobre estes e outros projetos apoiados pelo Centro 2020 aqui.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de