Governo Sombra

Eles querem, podem, mas não mandam! Ricardo Araújo Pereira, Pedro Mexia e João Miguel Tavares - num programa moderado por Carlos Vaz Marques - são o Governo Sombra. Um governo que não decide. Uma equipa ministerial sem consenso. Um conselho de ministros que convive bem com as fugas de informação. Semanalmente, passam a atualidade em revista, examinam à lupa os dossiês, interpelam os protagonistas sem rodeios.
Domingo, depois das 11h00. À segunda-feira, depois das 13h00 em versão compacto

RAP classifica de "bizarra" conivência da esquerda com saudação do 25 de novembro

O voto pela saudação do 25 de novembro, proposto esta semana pelo CDS-PP, foi aprovado no Parlamento.

Como em anos anteriores, o CDS-PP propôs um voto de saudação pelo 25 de novembro. Desta vez foi aprovado com o apoio do PSD, Iniciativa Liberal e Chega, bem como dos socialistas João Ataíde, João Paulo Pedrosa, Pedro Cegonho, Ascenso Simões, Sérgio Sousa Pinto, Hortense Martins e Marcos Perestrelo. PS, PAN e Livre optaram pela abstenção, enquanto o Bloco de Esquerda, PCP e PEV se opuseram à proposta dos democratas-cristãos, assim como a deputada socialista Isabel Moreira.

Ricardo Araújo Pereira classificou como "bizarro" que alguma esquerda tenha sido "conivente a deixar passar essa equivalência" (entre o 25 de abril e o 25 de novembro), porque as datas não são equivalentes, já que "uma destas datas acabou com 48 anos de uma ditadura, que perseguia, torturava e matava os seus opositores, e a outra, não" - relembrou o humorista no programa Governo Sombra desta semana.

A emissão completa do Governo Sombra, para ver ou ouvir, sempre em tsf.pt.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados