Governo Sombra

Eles querem, podem, mas não mandam! Ricardo Araújo Pereira, Pedro Mexia e João Miguel Tavares - num programa moderado por Carlos Vaz Marques - são o Governo Sombra. Um governo que não decide. Uma equipa ministerial sem consenso. Um conselho de ministros que convive bem com as fugas de informação. Semanalmente, passam a atualidade em revista, examinam à lupa os dossiês, interpelam os protagonistas sem rodeios.
Domingo, depois das 11h00. À segunda-feira, depois das 13h00 em versão compacto

RAP pergunta se será preciso debater o casamento entre vegetarianos

As declarações de João Pedro Caupers sobre o alegado "lobby gay" foram tema de conversa no Governo Sombra.

Uma das polémicas da semana envolve João Pedro Caupers, o novo presidente do Tribunal Constitucional (TC). Em causa está um texto publicado em 2010 num "jornal de Parede Digital" da Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa, em que o Professor catedrático considera existir um "lobby gay" e onde se terá referido aos homossexuais como uma "inexpressiva minoria cuja voz é despropositadamente ampliada pelos media".

O recém-eleito presidente do Tribunal Constitucional terá entretanto classificado o texto como um mero "instrumento pedagógico, dirigido aos estudantes" que, "para melhor provocar o leitor, utilizava uma linguagem quase caricatural, usando e abusando de comparações mais ou menos absurdas". O PAN requereu uma audição urgente do presidente do Tribunal Constitucional na Assembleia da República, para que João Caupers esclareça declarações "que atentam contra as pessoas LGBTI".

Mas essas nem foram as declarações que chamaram mais a atenção de Ricardo Araújo Pereira (RAP): o humorista citou no programa uma entrevista de Caupers, em 2014, ao jornal Público: "Onde é que num país decente se veem juízes a opinar em programas de televisão, como comentadores, sobre futebol, sobre as coisas mais variadas? É um aspeto particularmente triste. Olha-se para um painel de comentadores de futebol e estão lá advogados e juízes, um cirurgião, não é que eu ache deprimente comentar futebol, mas porque é que há pessoas que se colocam nessa exposição?" - É exatamente essa a questão que RAP gostaria de perguntar ao juiz João Caupers.

Ricardo Araújo Pereira considera ainda que João Caupers pode não ser simplesmente um conservador, mas sim um "conservador com a mania da conspiração", já que o humorista nunca encontrou provas da existência de um poderoso "lobby gay" a influenciar a sociedade portuguesa.

Um dos exemplos dados por Caupers para demonstrar a existência do alegado "lobby gay" é a de que "os vegetarianos não beneficiam do mesmo nível de acesso aos media, apesar de estar convencido de que existam mais vegetarianos que homossexuais na sociedade portuguesa." RAP pergunta-se qual seria o debate possível sobre esta ideia: "Os vegetarianos podem casar e adotar crianças, ou ​as crianças precisam mesmo de ter uma referência que ingira proteína animal, e por isso não possa ter dois pais vegetarianos?" - Pergunta RAP.

O humorista defendeu por fim que João Caupers não deve ser punido pelas suas opiniões, mas que "é legítimo discutir se uma pessoa que tem estas opiniões pode ou não ser Presidente do TC."

​​​​​A emissão completa do Governo Sombra, para ver ou ouvir, sempre em tsf.pt

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de