Governo Sombra

Eles querem, podem, mas não mandam! Ricardo Araújo Pereira, Pedro Mexia e João Miguel Tavares - num programa moderado por Carlos Vaz Marques - são o Governo Sombra. Um governo que não decide. Uma equipa ministerial sem consenso. Um conselho de ministros que convive bem com as fugas de informação. Semanalmente, passam a atualidade em revista, examinam à lupa os dossiês, interpelam os protagonistas sem rodeios.
Domingo, depois das 11h00. À segunda-feira, depois das 13h00 em versão compacto

Ricardo Araújo Pereira comenta o caso Bernardo Silva

A condenação de Bernardo Silva no caso do tweet considerado racista foi tema de conversa no Governo Sombra.

Bernardo Silva, futebolista português do Manchester City, foi considerado culpado, pela Football Association - Federação inglesa de futebol (FA), de conduta imprópria e ofensiva relativamente ao francês Benjamin Mendy, seu colega de equipa.

Em causa esteve um tweet de Bernardo Silva em que comparou uma foto de infância de Mendy ao boneco da marca de chocolates Conguitos, com a pergunta: "Adivinhem quem é?". Ambos os jogadores garantiram à FA ter-se tratado de uma brincadeira inócua entre amigos de longa data, mas - e apesar de admitir que Bernardo Silva não teve intenção de fazer um tweet racista - a FA deliberou que o mesmo constituiu uma violação agravada do código de conduta "por ter incluído referência, implícita ou explícita, à raça e/ou cor de pele e/ou origem étnica", e condenou o jogador português com a suspensão por um jogo , uma multa de 50.000 libras (58.331 euros) e ficou obrigado a frequentar um programa educacional sobre racismo.

Para Ricardo Araújo Pereira, os contornos do caso são absurdos: "É a mesma coisa que alguém ser acusado de homicídio, a vítima vir avisar que não morreu, o juiz reconhecer que o acusado não matou, mas condená-lo a pagar uma multa e a comparecer a um programa para aprender a não matar" - dramatiza o humorista.

Ricardo Araújo Pereira lamenta que Bernardo silva tenha sido castigado por brincar com um amigo e teme que estes casos possam trazer uma sensação de conforto aos verdadeiros racistas: "No meu tempo, racismo era uma pessoa considerar que outra, por causa da cor da pele, era inferior a si. Que esse comportamento, que é dos mais estúpidos e abomináveis que se pode ter, tenha agora o mesmo nome que fazer uma piada com um amigo... Eu acho que os racistas do meu tempo devem estar encantados com estes novos tempos", argumenta Pereira.

A emissão completa do Governo Sombra, para ver ou ouvir, sempre em tsf.pt.

[Artigo atualizado às 10h25 de 18 de novembro de 2019]

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados