Governo Sombra

Eles querem, podem, mas não mandam! Ricardo Araújo Pereira, Pedro Mexia e João Miguel Tavares - num programa moderado por Carlos Vaz Marques - são o Governo Sombra. Um governo que não decide. Uma equipa ministerial sem consenso. Um conselho de ministros que convive bem com as fugas de informação. Semanalmente, passam a atualidade em revista, examinam à lupa os dossiês, interpelam os protagonistas sem rodeios.
Domingo, depois das 11h00. À segunda-feira, depois das 13h00 em versão compacto

Ricardo Araújo Pereira pergunta pela indignação com o 13 de setembro em Fátima

Ricardo Araújo Pereira (RAP) quis ser "ministro dos filhos e enteados" para assinalar a diferença que notou no tratamento dado pela opinião nos meios de comunicação a dois eventos que reuniram milhares de pessoas: a festa do "Avante!" e o 13 de setembro em Fátima.

Reforçando a opinião de que os peregrinos têm o direito de poder ir a Fátima, desde que cumpridas as medidas de contenção aprovadas pela Direção-Geral de Saúde, o humorista lamenta que tal não tenha acontecido no Santuário de Fátima no último dia 13, quando o acesso ao recinto teve de ser bloqueado, depois da afluência de milhares de pessoas.

Mas, mais do que isso, RAP estranhou a diferença no nível de polémica que ambos os eventos desencadearam na opinião pública e nos meios de comunicação: "Eu precipitei-me para a internet, para ver as inúmeras crónicas indignadas sobre este assunto, mas não vi! (...) Então, e as notícias ilustradas por capas falsas do New York Times, a dizer 'Portugueses organizam suicídio coletivo em Ourém'? Onde é que está o pedido do Presidente para esclarecer as regras? A manifestação em marcha lenta de pessoas em Fátima? Os comerciantes de Fátima a fecharem as portas dos seus estabelecimentos comerciais, com medo?" - Perguntou o humorista, que chegou a dar "pancadas no computador", por pensar que poderia ter a "internet avariada".

Ricardo Araújo Pereira questiona também porque é que a lotação máxima para a festa do "Avante!" foi definida pela Direção-Geral de Saúde (DGS) como sendo de 16 mil pessoas para uma área equivalente a 30 campos de futebol, mas alguns meios de comunicação avançaram com uma lotação de 50 mil pessoas para o Santuário de Fátima, com uma área equivalente a sete campos de futebol. A DGS desmentiu entretanto ter emitido qualquer parecer nesse sentido, mas RAP mostra-se ainda assim confuso pelo facto de essa notícia não ter sido "dissecada por 700 cronistas irados".

A emissão completa do Governo Sombra, para ver ou ouvir, sempre em tsf.pt.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de