Governo Sombra

Eles querem, podem, mas não mandam! Ricardo Araújo Pereira, Pedro Mexia e João Miguel Tavares - num programa moderado por Carlos Vaz Marques - são o Governo Sombra. Um governo que não decide. Uma equipa ministerial sem consenso. Um conselho de ministros que convive bem com as fugas de informação. Semanalmente, passam a atualidade em revista, examinam à lupa os dossiês, interpelam os protagonistas sem rodeios.
Domingo, depois das 11h00. À segunda-feira, depois das 13h00 em versão compacto

Ricardo Araújo Pereira sente "vergonha alheia" por Ferro Rodrigues

A altercação entre André Ventura e Ferro Rodrigues no Parlamento por causa da palavra "vergonha" foi tema na reunião semanal do Governo Sombra.

Ferro Rodrigues repreendeu o deputado do Chega pelo uso frequente da palavra "vergonha", cortando-lhe a palavra em seguida, depois de afirmar que "não há liberdade de expressão quando se ultrapassa a liberdade de expressão dos outros", ao que se seguiu um forte aplauso da bancada do PS. Ricardo Araújo Pereira mostrou-se "envergonhado" pela atitude do Presidente da Assembleia da República, que considerou desnecessária e contraproducente.

O humorista argumentou que a frequência com que André Ventura usa a palavra "vergonha" o transforma rapidamente numa "caricatura de si próprio", comparando o deputado do Chega a um boneco de corda que fica a ir contra um parede e a repetir uma gravação da palavra "vergonha", ou ao "Ti Manel do snack-bar", para quem tudo "é uma vergonha". Ricardo Araújo Pereira pergunta também qual é a medida certa para o uso das palavras "vergonha e vergonhoso", e quem é que a define, considerando que o uso frequente da palavra "vergonha" no Parlamento em nada ultrapassa liberdade de expressão dos outros.

Para Ricardo Araújo Pereira, o problema com esta altercação entre Ventura e Ferro Rodrigues é que é facilmente instrumentalizável pelo deputado do Chega, e explica: "André Ventura é como aqueles jogadores de futebol que quando sentem um encosto, se atiram para o chão aos gritos. É aquele tipo de jogador que, embora só tenha duas pernas, grita como se lhe tivessem partido três. Isto são votos em caixa para André Ventura" - argumenta o humorista.

Outro episódio recente que envolveu André Ventura foi uma troca de palavras com António Costa sobre o SNS. Ricardo Araújo Pereira elogiou o Primeiro-ministro pela forma como este lidou com o deputado do Chega: quando André Ventura manifestava indignação em relação ao estado do Serviço Nacional de Saúde, António Costa questionou-o sobre o programa eleitoral do Chega, que defendia que o Estado não deveria sequer prestar serviços de saúde ou educação, parabenizando o deputado do Chega pelo súbito interesse na qualidade dos serviços públicos. O Chega retirou o seu programa eleitoral do respetivo site, prometendo repô-lo após uma "uma clarificação em sentido inverso" do "atual espírito" do programa, em matéria de Estado Social. Ricardo Araújo Pereira defende que esta é uma forma inteligente e democrática de lidar com André Ventura no Parlamento, classificando a opção de Ferro Rodrigues como "um desastre".

Na sequência da altercação no Parlamento, o Chega terá pedido uma audiência ao Presidente da República , Marcelo Rebelo de Sousa.

A emissão completa do Governo Sombra, para ver ou ouvir, sempre em tsf.pt.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de