Números Redondos

João Nuno Coelho traz-nos todas as sextas-feiras, os números, tendências, marcas, nomes e perspetivas para o fim de semana de futebol.
Emissões entre março e junho de 2019 com João Nuno Coelho e Teófilo Fernando. Emissões entre setembro de 2018 e fevereiro de 2019 com João Nuno Coelho e Nuno Miguel Martins; Emissões entre setembro de 2014 e julho de 2018 com João Nuno Coelho

Braga ataca o lugar do Sporting (sem Bruno Fernandes)

Bruno Fernandes terá sido o jogador mais influente da liga enquanto jogou em Portugal (os últimos dois anos e meio), e quis o destino que, no primeiro jogo após a partida da sua única estrela, o Sporting tenha que ir a Braga defender o terceiro lugar, recém-conquistado.

Benfica - Belenenses SAD (sexta, 19h00)

Não chega para assustar o imperial Benfica de Bruno Lage no campeonato, mas a verdade é que as águias têm pela frente nesta jornada a reedição de um dos dois únicos encontros em que perderam pontos desde a chegada de Lage ao banco encarnado: a receção ao Belenenses SAD.

Relembre-se que, com Bruno Lage, o Benfica, em pouco mais de um ano, disputou 111 pontos e conquistou 106, ou seja, apenas não venceu dois encontros em 37: o empate com o Belenenses SAD e a derrota com o Porto (ambas no estádio da Luz).

Acrescente-se que, graças ao facto de ser uma equipa muito recente, o Belenenses SAD até tem um registo equilibrado com o Benfica: em três jogos, uma vitória, um empate e uma derrota, sendo que no último jogo entre os dois conjuntos, em agosto de 2019, o Benfica venceu por 2-0, no Jamor.

Claro que o mais natural é que esse desfecho se volte a repetir nesta sexta-feira, dadas as diferenças abismais entre os dois conjuntos: o líder recebe o 15.º classificado (somente quatro pontos acima da linha de água), que somou quatro derrotas nos últimos cinco jogos.

A equipa agora treinada por Petit (já o terceiro treinador da temporada nos azuis) possui a segunda pior defesa do campeonato (32 golos sofridos) e o quinto pior ataque, com apenas 14 golos marcados. O Belenenses SAD da presente temporada nem tem conseguido impor o atrevimento forasteiro da época passada, quando conquistou 20 pontos fora de casa (leva oito nesta altura).

Do lado do Benfica, destaque para um autêntico "reforço de inverno", o regressado (de longa lesão) Rafa, que, em apenas dois jogos, e num total de 105 minutos realizados, marcou três golos e fez uma assistência, ações completamente decisivas perante Sporting e Paços de Ferreira, participando assim diretamente nos últimos quatro golos encarnados na liga.

O avançado, que parece ter tirado o lugar a Chiquinho no esquema de Lage, apresenta números globais impressionantes na liga: cinco golos e duas assistências em nove jogos (702 minutos). Rafa junta-se, assim, à dupla de ouro deste Benfica 2019/20, constituída pelos dois jogadores mais influentes do campeonato: Pizzi, com 12 golos e oito assistências, e Carlos Vinicius, com 11 golos e quatro assistências.

A grande questão é: se o Benfica tem estado imperial no campeonato com a dupla referida, o que pode acontecer quando a dupla passar a trio, com um reforço como este Rafa?

PROBABILIDADES NR: Benfica 90% / empate 8% / Belenenses SAD 2%

V. Setúbal - Porto (sábado, 18h00)

O Porto tem perdido a maioria dos pontos neste campeonato na condição de visitante, incluindo em campos teoricamente pouco "ameaçadores", como o do Gil Vicente (derrota na primeira jornada), e de Belenenses SAD e Marítimo (empates).

Por isso mesmo, todos os cuidados serão poucos na deslocação a Setúbal, mesmo que este seja o terreno mais auspicioso da liga para o Porto nos últimos 20 jogos: 19 triunfos e um empate (em 2016/17). Aliás, nos últimos 58 jogos entre as duas equipas, o Porto não perdeu e somente cedeu seis empates. E desde 1983 que os sadinos não vencem os dragões no Bonfim.

Acontece que, neste momento, os portistas vivem um momento conturbado, após duas derrotas quase seguidas com o Braga, que comprometeram fortemente a reconquista do título maior e custaram a (agora ansiada) conquista da Taça da Liga.

Além disso, os números comprovam o decrescente desempenho da equipa no campeonato, com perdas assinaláveis em termos do número médio de oportunidades de golo criadas por encontro (7.1 até à jornada 8; 5.8 neste momento), de remates efetuados (17.1; 14.9), de remates no alvo (6.9; 5.9) e de remates na área (9.4; 9.1).

Outro dado importante a registar é a pouco habitual sequência de jogos do Porto sem marcar de bola parada: quatro encontros de todas as competições, sendo que no campeonato não marcou neste tipo de jogadas frente ao Braga e ao Gil Vicente, depois de oito jogos sempre a faturar desta forma. Note-se que dos 37 tentos do Porto na liga, 17 surgiram na sequência de lances de bola parada.

Também o desempenho defensivo portista tem sido um problema recente, com cinco golos sofridos nos últimos três jogos de campeonato, depois de sofrer sete nas primeiras 15 rondas.

Veremos como a equipa de Sérgio Conceição reage a este momento complicado no Bonfim, onde os sadinos apenas perderam uma vez na Liga (1-3 perante o Sporting) e no qual sofrem poucos golos (somente quatro, um desempenho ao nível dos melhores: Porto e Benfica sofreram três golos cada um em casa).

É um facto que o Vitória também marca pouco (13 golos no total, cinco dos quais em casa), mas o empate será um resultado positivo para os vitorianos e catastrófico para os azuis e brancos.

Falta dizer que a equipa da casa ocupa um tranquilo 8.º lugar no campeonato (11 pontos acima da linha de água, bem longe dos sustos sofridos mesmo até ao fim da liga transata), muito à custa dos triunfos somados nas duas últimas jornadas (no Jamor e em Tondela).

Jogos em que o jogador mais decisivo foi o avançado Guedes, com um golo em cada partida, ele que esta época já marcou dois golos ao Benfica em apenas 11 minutos em campo (empate no Bonfim, a contar para a Taça da Liga).

PROBABILIDADES NR: V. Setúbal 8% / Empate 17% / Porto 75%

Braga - Sporting (domingo, 17h30)

A ausência de Bruno Fernandes dominará qualquer antevisão deste Braga-Sporting, dada a importância que o ex-capitão leonino teve na sua passagem por Alvalade, assumindo o protagonismo, principalmente dentro do campo.

Nesta época, Bruno Fernandes marcou 15 golos e fez 12 assistências em todas as competições, o que representa participação decisiva em 56% dos golos do Sporting. Mas Fernandes teve ainda papel importante na construção de mais 10 golos leoninos, pelo que a sua influência era, na verdade, mais uma dependência do conjunto em relação a si...

Para que se tenha a noção do protagonismo de Bruno Fernandes nos dois anos e meio que jogou no Sporting, basta olhar para mais alguns dados: um total de 137 jogos realizados, com 63 golos e 58 assistências. Números impressionantes, que fazem pensar nos possíveis (ou melhor dizendo, prováveis) efeitos devastadores que a sua partida pode provocar na equipa de Silas, ela própria contendo poucas alternativas de qualidade no plantel, mormente para substituir um jogador tão decisivo.

E como se tudo isto fosse pouco, quase como partida do destino, o Sporting tem que enfrentar imediatamente a maior ameaça possível ao seu atual lugar no pódio, jogando em casa do Braga, que está a apenas dois pontos dos leões. É verdade que o Famalicão tem mais um ponto do que o Braga, mas tem igualmente uma partida muito complicada nesta jornada: a deslocação a Vila do Conde (se o Rio Ave vencer, alcança os famalicenses na classificação).

O cenário para os leões é ainda mais preocupante se tivermos em conta que vai encontrar um Braga em grande momento: os minhotos acabaram de conquistar a Taça da Liga (vencendo o Sporting na meia-final e o Porto na final), sentindo que este é o momento certo para atacarem o terceiro lugar do Sporting no campeonato atual - mas também na hierarquia competitiva do próprio futebol português.

Além disso, os bracarenses somaram seis vitórias nos últimos seis jogos, correspondendo a um fantástico pleno no consulado do treinador Rúben Amorim, até porque incluiu três triunfos em jogos do mais elevado perfil (dois perante o Porto e um frente ao Sporting).

Deve ainda dizer-se que o Braga continua a ser a equipa da Liga com mais remates efetuados, em média, por jogo (16.1), assim como a que mais remata dentro da área adversária (9.2) e a segunda com mais remates no alvo (5.5), sendo que o Sporting ocupa a quinta posição em qualquer destes dados.

Do lado dos leões, é sabido que a segunda volta trará grandes desafios: desde logo por força do calendário do campeonato, com deslocações a Braga, Guimarães, Famalicão, Rio Ave, Dragão ou Luz - ou seja, aos campos de todas as equipas que acompanham o Sporting nos primeiros sete lugares da classificação.

Sem Bruno Fernandes e também sem Luiz Phellype, lesionado até ao final da temporada, o que representa a ausência dos dois melhores marcadores da equipa (14 golos em conjunto, cerca de metade do total dos leões no campeonato). Resta o terceiro melhor marcador, Vietto, com somente três tentos e um conjunto de jovens esperanças como Rafael Camacho, Jovane Cabral ou Gonzalo Plata, todos ainda sem golos na liga. E Sporar, claro, que marcou muito no Slovan Bratislava (61 golos em 78 jogos), mas que é, para já, uma grande incógnita no que diz respeito à sua adaptação ao campeonato português.

Já no Braga, em termos individuais, os avançados Paulinho e Ricardo Horta são os homens do momento: o primeiro é o melhor marcador da equipa na temporada, com 17 golos em 31 jogos, enquanto Ricardo Horta soma 16 (recorde pessoal numa época), tendo marcado duas vezes na "final four" da Taça da Liga, incluindo o golo do triunfo na competição, frente ao Porto.

Historicamente, o jogo deste domingo é igualmente aliciante: em todo o século XXI, o Braga recebeu o Sporting 20 vezes, registando-se uma igualdade absoluta, com 10 vitórias para cada lado e nenhum empate.

PROBABILIDADES NR: Braga 40% / Empate 30% / Sporting 30%

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de