O Bichinho da Rádio

Saúde, comportamento e direito animal, Gente, bichos e a nossa vida em comum.
Para ouvir à segunda-feira, depois das 18h30. Com Dora Pires.

Em terra de cavalos, os passarinhos são reis

Os cavalos que passam à porta da família Brogueira, no centro da Golegã, conhecem de cor o som de muitas dezenas de pássaros. São os Diamantes Mandarins que não se cansam de dar prémios à casa, à terra e ao país. Fomos conhecê-los, apanhámos a hora do banho.

José, Gaspar, Salomé e Zeca - são todos membros da mesma família, mas só um deles é um pássaro.

Adivinhe qual? A casa da família Brogueira parece não ter espaço para mais nenhuma gaiola. Há paredes forradas de pássaros empoleirados, outras de fotos com medalhas e homens de poses vitoriosas. Entramos no reino dos Diamantes Mandarins, uns pássaros pequenos mas tratados aqui como gigantes.

O criador mais novo, o Gaspar dá a aula básica, "é uma espécie oriunda da Austrália, de Timor e da Indonésia. Têm em média uns 11, 12 centímetros e são criados especialmente para competição".

Com uma t-shirt igual à do filho, com a nome Brogueira bordado, José conta que isto de ganhar tantos prémios, nacionais e internacionais, exige muito trabalho, "são muitas horas de dedicação por dia".

Entre as várias tarefas diárias, uma é dar banho aos pássaros. Depois de alguns equívocos, José vai buscar uma banheira, instala-a numa gaiola e fica esclarecida a dúvida: não é preciso dar banho aos pássaros, é só montar-lhes a banheira que eles fazem o resto, e com espalhafato.

Uma regra básica de quem cria aves para competição é selecionar os reprodutores para garantir as melhores crias. E qual é a diferença? São muitos detalhes, quase todos invisíveis aos olhos de um leigo. Por exemplo, é difícil avaliar o porte de um destes pássaros, mas já conseguimos perceber que a cor tem muito peso, os mais coloridos, os exibicionistas, valem mais.

Nesta altura estamos na fase da criação. Há caixinhas de madeira cheias de ovos minúsculos, outras com uma bola de ínfimas penas cinzentas e ainda outras com uma amálgama de pele transparente e ossos finíssimos.

Lá longe, no primeiro andar, está o Zeca. "Foi adotado e levado para casa desde pequenino. Agora vive na sala. Já se habituou ao ar condicionando que não se desliga de verão nem de inverno." É Salomé, a filha mais nova da família Brogueira a resolver o enigma lá do início do texto.

Ouça aqui o programa completo e recorde emissões anteriores.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de