Sinais

"Sinais" nas manhãs da TSF, com a marca de água de sempre: anotação pessoalíssima do andar dos dias, dos paradoxos, das mais perturbadoras singularidades. Todas as manhãs, num minuto, Fernando Alves continua um combate corpo a corpo com as imagens, as palavras, as ideias, os rumores que dão vento à atualidade.
De segunda a sexta, às 08h55, com repetição às 14h10.

Contas de outra campanha

A Austrália vai a eleições em Maio. Há na Austrália um milhão e duzentos mil cidadãos de origem chinesa. Scott Morrison, o primeiro-ministro australiano, considerou a necessidade - e a vantagem - de se lhes dirigir. Abriu, para isso, uma conta na rede social chinesa WeChat. Nela granjeou 76 mil "seguidores", como se diz. A conta de Morrison acaba de ser "roubada" e os 76 mil que o "seguiam" foram informados, pelos assaltantes, de que a página passava a ter nova designação: "Nova vida Chinesa Australiana". O gabinete de Morrison ainda não comentou a entrada em cena deste cavalo de Tróia mas deputados australianos falam já abertamente em interferência política de Pequim, num cenário pré-eleitoral. O presidente do comité parlamentar de Segurança, em Camberra, sublinhou que o WeChat não respondeu, sequer, ao apelo do governo australiano para que a conta fosse restaurada. Este deputado acabou por desafiar todos os membros do parlamento a que fechem eventuais contas na rede social chinesa. Um outro deputado australiano lembrou, numa entrevista à SkyNews que o WeChat é controlado pelo Partido Comunista Chinês e que este caso é revelador do modo como Pequim trata a liberdade de expressão.

Observadores sublinham que Pequim não perdoa a parceria que a Austrália assinou com os Estados Unidos e o Reino Unido. Essa parceria vai permitir que a Austrália receba em breve submarinos nucleares.

Tudo isto desmente o velho provérbio chinês segundo o qual "a conversa não cozinha o arroz".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de