TSF à Mesa

Portugal fora, as fronteiras entre regiões são traçadas pelas paisagens e pela mesa. Das cidades às serras ou na imensidão das planícies, da melhor tradição portuguesa ao vanguardismo mais ousado. António Catarino sugere um país gastronómico que vale a pena apreciar.

Alpendre em Baião com pratos regionais

A gastronomia é um dos cartazes de excelência de Baião, um vasto concelho nortenho onde o fumeiro tem igualmente tradição. A pouca distância daquela vila, há um Alpendre acolhedor para degustar o que de melhor há na região.

O concelho de Baião, território que se estende das alturas do Marão, impante e agreste, à Aboboreira e desce até ao Douro, em sublimes declives pintados a verde, cor dos vinhedos da casta avesso, é uma terra com história milenar.

De cultura e de património, algum dele incluído na Rota do Românico: um percurso que ajuda a descobrir um legado que conta parte da nossa história. O mosteiro de Ancede, no trajeto para a Fundação Eça de Queirós, em Tormes, é o ex- libris monumental desta terra de aventura e de vida natural.

Um dos expoentes deste atributo é o carvalhal da Reixela, a maior mancha contínua de carvalhos existente na Península Ibérica, por onde corre, envergonhado e pressuroso, o rio Ovil.

Outra das atrações das terras de Baião é a gastronomia.

Um cartaz suculento, que ostenta especialidades particularmente apreciadas - cozido e anho assado - confecionadas com excelente matéria-prima e que alimentam feiras e festivais gastronómicos, já consolidados no calendário deste tipo de iniciativas.

Em Gôve, a poucos quilómetros da vila, o restaurante Alpendre aposta em pratos regionais, exprimindo uma culinária de matriz tradicional.

O aproveitamento de uma construção rústica já existente - e que deu nome ao restaurante - foi bem conseguido. Pedra e madeira são elementos preponderantes No exterior, uma esplanada, vasta e muito agradável.

O espaço interior, divide-se por dois pisos, aproveitando o elevado pé direito da construção retangular, com paredes em granito e teto em madeira.

Mesas postas a rigor; toalhas e guardanapos em pano; copos adequados.

Para começo de função, chegam à mesa um pratinho com deliciosos bolinhos de bacalhau e uma telha de enchidos regionais, com salpicão - excelente -; alheira e presunto muito saborosos.

O bazulaque (ou verde), um pitéu regional, confecionado com miúdos de carneiro e bucho, presunto e salpicão, apresentou-se a contento.

O introito ficou completo com uns cogumelos salteados, que se apresentaram em bom nível.

O prato de resistência foi uma das especialidades da casa: anho assado em forno a lenha. Servido em assadeira de barro, revelou confeção merecedora de elogios.

Carne suculenta, plena de sabor, a despegar-se facilmente do osso; assadura correta. O séquito acompanhante ficou completo com arroz de forno, grelos e batata assada. Um festim!

Este prato consta da ementa de domingo, dia do bacalhau à Alpendre, frito com cebolada e gratinado no forno com puré.

Ao sábado, é dia de cozido à portuguesa.

Na lista figuram, nos pratos de peixe, filetes de pescada dourados; polvo à lagareiro ou em filetes com arroz malandrinho; bacalhau à Narcisa ou à lagareiro e rodovalho

Nas carnes, espeto de novilho com batata a murro e legumes; posta de vitela arouquesa lombinhos de porco com cogumelos; secretos de porco preto.

Para terminar, a designada sobremesa à Alpendre: cascata de chocolate com bola de gelado. Uma alternativa; cheesecake de morango.

Garrafeira bastante razoável e um vinho da casa - verde da casta avesso - muito agradável.

Serviço simpático neste restaurante tradicional. Boas razões para saborear, no Alpendre, o que a gastronomia de Baião tem para oferecer.

Onde fica:
Localização: Gôve (Baião)
Telef.: 255 551 207

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de