TSF Pais e Filhos

Como a intuição não chega e eles não nascem com livro de instruções, a TSF propõe um programa para partilhar ideias, conselhos de quem sabe (desde os conselhos técnicos de pediatras e psicólogos, aos conselhos de pais), propostas de lazer, de brincadeiras, de passeios e reportagem. Sem nunca deixar de responder às dúvidas dos pais, vamos também ouvir os filhos. Com coordenação de Rita Costa.
De segunda a sexta, às 08h40, com repetição às 16h40. Edição alargada à terça-feira, às 18h45.

Dez mitos à volta da hemofilia  

A lista de ideias que não correspondem à verdade é vasta, mas deve ser combatida. Goreti Navega, enfermeira de referência no Centro de Coagulopatias Congénitas do Centro Universitário de Coimbra sublinha que o bom conhecimento da doença contribui para a melhoria da qualidade de vida das crianças com hemofilia.

"Se a pessoa que sofre de hemofilia se cortar sangra até morrer é um mito", assegura a enfermeira. "Pessoas com hemofilia tem baixa expectativa de vida", é outro. Goreti Navega garante que "hoje em dia, com a profilaxia, além de maior esperança de vida, as pessoas têm qualidade de vida".

Outra ideia que não corresponde à verdade é a de que a hemofilia A pode melhorar com o tempo. "Não melhora, se não administrarmos o fator, ela não melhora, não há uma cura", assegura.

Outro mito é o de que "pessoas com hemofilia só têm sangramentos externos". "Não é verdade, também há sangramentos internos."

Mas as ideias feitas que não correspondem à verdade não se ficam por aqui. Por exemplo, é falso que as crianças com hemofilia têm sempre uma história familiar de hemofilia. "Pode não haver, pode ter havido uma mutação do gene", explica Goreti Navega

E pensar que a hemofilia só afeta homens também não é verdade, já que por mutação do gene pode ocorrer no sexo feminino.

A enfermeira Goreti Navega revela que há quem diga que "o ferro, certas vitaminas e, por exemplo, o amendoim podem curar a hemofilia", mas isso está longe de ser verdade.

E também não é verdade que as pessoas com hemofilia não podem praticar exercício físico. "O desporto melhor que eles podem praticar é a natação. Claro que desportos com impacto físico não são recomendados, nomeadamente o futebol. É muito importante desmistificar isto e dizer às crianças que gostam de futebol que não podem jogar futebol, mas podem ser árbitros, por exemplo."

Muito comum, revela a enfermeira, é também a ideia de que a hemofilia é contagiosa. Mais uma vez, não é verdade. A doença ocorre por transmissão hereditária ou por mutação do gene.

Por fim um dos mitos mais descabidos: "todas as pessoas com hemofilia são descendentes da rainha Vitória de Inglaterra". A enfermeira Goreti sorri para garantir que essa é uma ideia completamente falsa.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de