TSF Pais e Filhos

Como a intuição não chega e eles não nascem com livro de instruções, a TSF propõe um programa para partilhar ideias, conselhos de quem sabe (desde os conselhos técnicos de pediatras e psicólogos, aos conselhos de pais), propostas de lazer, de brincadeiras, de passeios e reportagem. Sem nunca deixar de responder às dúvidas dos pais, vamos também ouvir os filhos. Com coordenação de Rita Costa e sonoplastia de Miguel Silva.
De segunda a sexta, às 08h40 e 16h40

É preciso pôr os miúdos a mexer

Os rapazes mexem-se mais do que as raparigas, mas os níveis de atividade física em Portugal são muito reduzidos e preocupam os especialistas.

"É um problema de tal modo importante que a Organização Mundial da Saúde prevê até 2030 uma redução em 10% da atividade física", lembra Sandra Martins, especialista em Saúde e Condição Física da Faculdade de Ciências da Saúde e do Desporto da Universidade Europeia.

Em Portugal, os níveis de inatividade física são muito elevados. Nos rapazes, até à entrada na adolescência, apenas cerca de 50% atinge aquilo que são as recomendações de atividade física para se manterem saudáveis e, nas raparigas, a percentagem é ainda menor, os valores andam à volta dos 20%. A partir da adolescência, o cenário piora com os níveis de atividade física a diminuírem em ambos os géneros. Nas raparigas, o número passa mesmo a ser inferior a 10%.

"As consequências podem ser muito diversas", avisa Sandra Martins. Valores de colesterol elevados, glicemia, hipertensão e obesidade podem ser resultado da falta de atividade física.

A especialista em Saúde e Condição Física sublinha que é possível identificar idades e géneros que estão em maior risco pelos níveis de inatividade física que apresentam e recomenda aos pais que tenham isso em atenção. Em causa está a saúde dos filhos.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de