Se têm medo que elas caiam, "virem as costas e deixem as crianças em paz"

"Sem risco não há segurança. Cada vez há mais acidentes porque as crianças têm menos confronto com o risco", defende Carlos Neto, professor e investigador da Faculdade de Motricidade Humana.

"O conselho que eu dou aos pais e aos educadores é que quando tiverem medo, não há nenhuma medicação para tratar este assunto, só há uma solução que é virarem as costas e deixarem as crianças ou os filhos em paz."

Carlos Neto assegura que as crianças têm capacidade de autorregulação e de controlo emocional: "A partir dos três anos e meio, quatro anos, as crianças sabem perfeitamente até onde podem chegar e qual é o limite."

O professor e investigador da Faculdade de Motricidade Humana defende que, para crescerem saudáveis, é muito importante que as crianças sintam dentro delas o que é a superação, a capacidade de ultrapassar a frustração, "aquela sensação interior de medo de ultrapassar mais um obstáculo, mas ter a capacidade interna para fazê-lo".

Algo que não está a acontecer, nos dias que correm, porque há à volta das crianças as crianças um clima negativo e de proibição, defende Carlos Neto que lamenta a repetição de frases como: "Olha que vais cair!", "Isso vai fazer-te mal" ou "Olha que é perigoso!".

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de