TSF Pais e Filhos

Como a intuição não chega e eles não nascem com livro de instruções, a TSF propõe um programa para partilhar ideias, conselhos de quem sabe (desde os conselhos técnicos de pediatras e psicólogos, aos conselhos de pais), propostas de lazer, de brincadeiras, de passeios e reportagem. Sem nunca deixar de responder às dúvidas dos pais, vamos também ouvir os filhos. Com coordenação de Rita Costa e sonoplastia de Miguel Silva.
De segunda a sexta, às 08h40 e 16h40

O diagnóstico pré-natal revelou uma cardiopatia?

Na maioria das vezes não há razão para alarme. É o que garante a cardiologista pediátrica Maria Ana Sampaio.

"Hoje a maioria das cardiopatias é tratável e, portanto, quando se faz um diagnóstico pré-natal, determinadas cardiopatias, inclusivamente algumas complexas, são muitas das vezes possíveis de tratar, e as crianças ficam muito bem", assegura.

Maria Ana Sampaio defende que o importante é aconselhar muito bem os pais relativamente ao tipo de cardiopatia e ao prognóstico dessa cardiopatia. "Por exemplo, nas transposições simples das grandes artérias, que são o tipo de cardiopatia mais frequente nos últimos anos, graças a uma técnica cirúrgica que foi inventada por um brasileiro, o doutor Jatene, as crianças ficam praticamente curadas."

Estas intervenções devem ocorrer no primeiro mês de vida, e a cardiologista reconhece que, quando se diz aos pais que os bebés têm de ser operados no primeiro mês de vida, a reação é quase sempre de apreensão. Por isso, deixa-lhes uma mensagem: "Atualmente há grupos multidisciplinares, altamente diferenciados e que conseguem ter muito bons resultados nestas patologias." Hoje em dia, a maioria das crianças que nascem com cardiopatias conseguem ter uma qualidade de vida muito próxima do normal ou mesmo normal.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de