Uma questão de ADN

Podem ser irmãos, avós e netos, pais e filhos, companheiros, marido e mulher... São pessoas da mesma família que se juntam para uma conversa em que se fala de tudo. São percursos de vida e testemunhos que atravessam diferentes gerações. O que os une para lá do apelido, o que os separa para lá da diferença de idades.
Quarta-feira, depois das 13h00. Repete ao domingo, após as 14h00. Com Teresa Dias Mendes

À boleia do Mundial. Sofia Oliveira e Rita Gouveia em Uma Questão de ADN

"O futebol é quase uma obsessão", confessa a jovem comentadora desportiva, cuja paixão desperta muito cedo, por influência do avô paterno, adepto do Sporting, clube onde tudo começa. Primeiro foi a "clubite", mas não tardou a render-se ao esplendor na relva, e é hoje um dos rostos e uma das vozes que vai a jogo na televisão e na rádio. Nesta semana de arranque do Mundial do Catar, Sofia Oliveira é titular e convoca a namorada, Rita Gouveia, "a pessoa que melhor me conhece", para uma partida amigável.

Dos direitos humanos aos cromos, das inseguranças aos sonhos, há cartas de amor e música no coração. No passado foi o clarinete, no futuro talvez o piano.

Sofia Oliveira e Rita Gouveia, em Uma Questão de ADN.

"Metade futebol, metade mulher", canta a banda Eddie, do Brasil, em jeito de hino ao futebol, numa letra que dá o pontapé de saída para a conversa com Sofia Oliveira. Aos 29 anos, a comentadora desportiva, é uma das poucas mulheres que vai a jogo , despindo a camisola de adepta para abraçar a paixão pelo futebol "o mundo pode estar a cair à volta dela, mas se estiver a acompanhar um jogo, é como se nada mais existisse", relata Rita Gouveia, a namorada, com quem vive e que conhece desde o infantário.

Tudo começa pelo Sporting, clube de coração, e por torcer pela equipa, ao lado do avô paterno, até começar a ter visão de jogo para olhar o futebol, para lá desta ou daquela equipa, desta ou daquela seleção. João Félix serviu-lhe de exemplo para largar a "clubite aguda", num célebre jogo em que o atacante ajudou a carimbar a derrota do Sporting em Alvalade: "Dei por mim a levantar-me e a aplaudir."

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de