Uma questão de ADN

Podem ser irmãos, avós e netos, pais e filhos, companheiros, marido e mulher... São pessoas da mesma família que se juntam para uma conversa em que se fala de tudo. São percursos de vida e testemunhos que atravessam diferentes gerações. O que os une para lá do apelido, o que os separa para lá da diferença de idades.
Quarta-feira, depois das 13h00. Repete ao domingo, após as 14h00. Com Teresa Dias Mendes

GLÓRIA - O romance que começou na Netflix

Ainda é cedo para falar de uma segunda temporada da série portuguesa que estreou em novembro de 2021. "Não estamos a pensar nisso", assegura Pedro Lopes, um dos argumentistas e criador do projeto, que assina com Paulo M. Morais, o romance acabado de editar pela Oficina do Livro. "Glória" está agora também no mapa dos leitores, embalada pela memória de uma história contada pelo avô, ainda que não seja demais dizer "que não se trata de uma história de família". Pedro Lopes e João Pedro Lopes contam-nos como foi.

"Aos meus avós, aos meus pais, tantas vezes as suas histórias foram o ponto de partida para a ficção." A dedicatória escrita por Pedro Lopes leva-nos pela estrada do tempo até Glória do Ribatejo, recriando nas páginas de um livro, aquela que foi a primeira série original portuguesa da Netflix, estreada em novembro de 2021.

Glória, o romance agora editado pela Oficina do Livro, divide-se por dez capítulos, tantos quantos os episódios da série, e mais de 300 páginas. Os mesmos cenários, as mesmas personagens. Mas nem sempre a mesma cronologia, e com a publicação de um punhado de cartas escritas por João Vidal em Angola, o personagem principal do thriller, que ganha assim outra espessura no papel "porque numa série é difícil filmar os pensamentos", defende o autor, explicando o que o levou a aceitar o desafio lançado pela Leya, após o sucesso da série.

E eis-nos de novo em 1968, a caminho "de uma cidade plantada num meio rural onde não havia água, nem luz, nem estradas alcatroadas, uma espécie de nave estranha no meio do Ribatejo". A cidade RaRet, a RadioRetransmissão, instalada na vila ribatejana, a partir da qual os americanos e a CIA transmitiam, via onda curta, propaganda ocidental para o Bloco de Leste.

Quem viu a série sabe que é ali que o jovem engenheiro João Vidal, filho de um ministro de Salazar, é colocado como funcionário da Emissora Nacional, recrutado entretanto pelo KGB. É esse o ponto de partida do livro, apresentado como uma "história de intriga e traição em Portugal durante a Guerra Fria".

Se há dois agentes infiltrados na série e no romance, eles são Pedro Lopes e João Pedro Lopes.

João Pedro Lopes, o irmão mais velho é formado em Economia e diretor-executivo da SP Televisão.

Pedro Lopes seguiu História e assume a Direção-Geral de Conteúdos da produtora.

Sem a memória das histórias contadas pelo avô, talvez Glória nunca tivesse acontecido.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de