Verdes Hábitos

Agir é preciso! As mudanças de hábitos em tempos de emergência climática. As grandes questões, os desafios, os problemas relacionados com a sustentabilidade e o ambiente. "Verdes Hábitos" na TSF com Carolina Quaresma e a Associação Ambientalista Zero. Às segundas-feiras depois das 20h00 e sempre em tsf.pt.
(Até 2021 o programa foi da autoria de Sara Beatriz Monteiro e Inês André de Figueiredo).

Floresta, água e meteorologia. Três desafios ambientais para um planeta mais saudável

Dia Internacional das Florestas. Dia Mundial da Água. Dia Mundial da Meteorologia. Três elementos que têm como objetivo comum contribuir para o combate às alterações climáticas e para um planeta mais sustentável. No Verdes Hábitos desta semana, Francisco Ferreira, da associação ambientalista Zero, explica qual a melhor forma de cuidar da floresta autóctone, poupar água em casa, dar visibilidade ao "tesouro" das águas subterrâneas e reduzir as emissões para um uso mais eficiente da energia.

Esta semana é dedicada a lutas ambientais. Esta segunda-feira assinala-se o Dia Internacional das Florestas, na terça-feira é o Dia Mundial da Água e na quarta-feira o Dia Mundial da Meteorologia. No Verdes Hábitos desta semana, Francisco Ferreira, da associação ambientalista Zero, explica como fazer face a estes desafios cada vez mais urgentes.

As florestas são "absolutamente vitais". Em declarações à TSF, Francisco Ferreira afirma que as florestas proporcionam "um conjunto de serviços do ecossistema que são uma enorme mais-valia". São também "um suporte que permite a vida de inúmeras espécies, fornecendo produtos importantes à sociedade", como, por exemplo, madeira para mobília, pasta de papel, frutos ou "outros produtos que fazem parte do domínio industrial".

Neste Dia Internacional das Florestas, a Zero alerta para a insuficiência dos investimentos públicos nestes locais. Francisco Ferreira é claro e sublinha que é preciso "uma ação muito importante por parte do Governo".

"Precisamos que a floresta melhore em termos de ordenamento, proporcione rendimento a quem tem áreas florestais mesmo que, no caso de Portugal, nem sempre isso seja fácil, porque a maior parte são áreas pequenas", refere, frisando a importância de uma floresta "diversificada", ao invés da "insistência nas monoculturas, características do Centro e Norte do país".

"Precisamos de valorizar aquilo que são os investimentos e apoios a estes serviços que a floresta nos presta, a transformação numa paisagem mais resiliente e preparada para as alterações climáticas", acrescenta.

A desflorestação é um dos grandes problemas atuais. Na Amazónia, durante o governo de Bolsonaro, entre 2018 e 2021, "tivemos mais quase 57% de desflorestação" do que entre 2016 e 2018, "a par dos incêndios que têm devastado muitas das áreas" desta floresta tropical.

"Quando falamos da floresta tropical, não é apenas a América do Sul, é também a África, a Ásia, uma faixa que percorre todo o planeta e que é crucial em termos dos serviços que presta e para o carbono que consegue retirar", explica Francisco Ferreira.

As alterações climáticas, bem como a ação humana direta "através dos incêndios e da desflorestação" representam "um ciclo dramático" e estão "a pôr em causa" a Amazónia.

"Por outro lado, transformar-se muito mais próximo de uma savana, faz com que tenhamos uma capacidade muito mais reduzida de retirar carbono e suportar a enorme riqueza da Amazónia relativamente à produtividade e diversidade."

Águas subterrâneas são "verdadeiros tesouros enterrados"

O Dia Mundial da Água assinala-se esta terça-feira e, por isso, a Zero dedica este momento para alertar sobre as águas subterrâneas, que são "fundamentais para a sobrevivência da Terra".

É crucial perceber que "esta enorme massa de água é muito mais resiliente do que a água superficial", sendo que "não é tão submetida às variações do clima".

Estas águas estão "sob ameaça em todo o mundo", devido à sobre-exploração e à agricultura, "que representa, em Portugal, um consumo de 89%" destas águas, diz Francisco Ferreira.

Para fazer face a estas ameaças, é preciso "monitorizar melhor, avaliar a qualidade e a quantidade", fazer "uma gestão cuidada e eficiente" e "recuperar muitos dos aquíferos" que foram contaminados pela água salina dos oceanos.

"Temos que lhes dar muito maior importância, são verdadeiros tesouros enterrados."

Meteorologia. "Estado do tempo é de uma imprevisibilidade cada vez maior"

Na quarta-feira, é assinalado o Dia Mundial da Meteorologia. Antes de mais, é preciso perceber a diferença entre meteorologia e climatologia. Recordando as palavras de um cientista americano, Francisco Ferreira refere que a meteorologia, ou seja, "o estado do tempo" é como o nosso "estado de espírito" no dia a dia. Já a climatologia, é a "nossa personalidade", isto é, "um conjunto de características de temperatura, humidade, ou outros parâmetros que variam ao longo das décadas".

"Sem dúvida que as alterações climáticas têm impacto no estado do tempo no dia a dia. Os eventos meteorológicos extremos estão a afetar-nos", considera.

Francisco Ferreira indica que o clima em Portugal revela que as "temperaturas máximas têm vindo a aumentar e a precipitação a diminuir".

"O estado do tempo é agora de uma imprevisibilidade cada vez maior, atingindo extremos que causam prejuízos grandes, como as cheias", reforça.

Como contribuir para um planeta mais saudável?

Tendo em conta as florestas, a água e a meteorologia, Francisco Ferreira deixa alguns conselhos para uma atitude mais ativa na preservação do meio ambiente. Em primeiro lugar, é essencial "plantar uma árvore", pensando na "reflorestação e no cuidado da floresta autóctone".

Aludindo ao Dia Mundial da Água, Francisco Ferreira convida todos os portugueses a aderirem à iniciativa "H2Off" e a desligar a torneira durante uma hora ao final da noite de terça-feira. "Todas as medidas de poupança devem começar em casa", avisa.

Para reduzir as emissões e contribuir para o combate às alterações climáticas, é importante "fazer um uso mais eficiente da energia" e apostar no uso dos transportes público em detrimento do automóvel.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de