Vozes da Hemofilia

Durante o mês de novembro, na TSF falamos de hemofilia, uma doença que, em Portugal, tem cerca de mil pessoas afetadas. Num minuto de rádio falamos da história da doença e das curiosidades em torno dela. Ouvimos testemunhos de quem vive com a doença, falamos do papel dos médicos e o que pode fazer o SNS pelos hemofílicos.
Para ouvir, de segunda a sexta, antes das 08h00, durante o mês de novembro.

Com o patrocínio da Sobi

Artropatia hemofílica: uma das principais complicações da hemofilia

Artropatia hemofílica. Este é o 'palavrão' usado pela medicina para identificar uma das principais complicações da hemofilia.

Sara Morais, do Centro Hospitalar e Universitário do Porto explica que "a repetição de uma hemorragia numa mesma articulação pode levar a uma lesão progressiva irreversível". Logo, ao falar-se de artropatia hemofílica descreve-se uma grande rigidez articular e uma dor crónica "incapacitante porque limita a mobilidade e provoca atrofia muscular".

Os doentes de hemofilia precisam, muitas vezes, de cuidados ortopédicos e fisiatras, mas os tratamentos são cada vez mais eficazes, sobretudo as terapêuticas de prevenção.

Ainda assim, é preciso ter atenção aos inibidores, ou seja, quando o corpo não reconhece os fatores de coagulação administrados para resolver a hemofilia.

Dez a 15% dos doentes com casos de hemofilia mais grave revelam a presença de inibidores que anulam ou complicam os tratamentos.

O aparecimento dos inibidores é a complicação do tratamento mais temida quer pelos doentes, quer pelos profissionais de saúde.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de