Da infertilidade à Covid-19. Merck como motor da ciência em Portugal

A Merck assume-se como uma "empresa vibrante" de ciência e tecnologia. Do tratamento da infertilidade à ​​​​​​​Covid-19, o diretor-geral da Merck Portugal, Pedro Moura, conversou com a TSF sobre a importância da empresa no desenvolvimento científico.

O farmacêutico sublinha que o trabalho da Merck assenta em três pilares: "ajudar a criar vidas, no tratamento da infertilidade. Melhorar a qualidade de vida dos doentes com esclerose múltipla, hipertensão arterial, diabetes e disfunções da tiroide. O terceiro pilar é prolongar a vida dos doentes, nomeadamente os doentes oncológicos".

"Temos como missão estar ao serviço do doente e do bem da humanidade", diz, justificando que a Merck, a nível mundial, já auxiliou no nascimento de três milhões de bebés.

A curiosidade é uma das palavras-chave do dia-a-dia da Merck desde a sua fundação. "Há 352 anos que a curiosidade nos move e está presente em tudo o que fazemos. É o motor do desenvolvimento e do bem da sociedade. A forma de atravessarmos estes períodos de incerteza é usando e abusando da curiosidade. Essa curiosidade tem feito com que avancemos como empresa", assume.

Sendo uma das principais empresas para o desenvolvimento científico em Portugal, Pedro Moura destaca "as soluções inovadoras na área da saúde com impacto na vida dos doentes", não deixando de dar uma palavra aos parceiros da empresa. "Não fazemos estes trabalhos sozinhos. Procuramos sempre parcerias com a comunidade científica", diz.

"Na área da esclerose múltipla, introduzimos uma terapêutica revolucionária para o tratamento da patologia. A imuno-oncologia também é uma área de foco, colocando o sistema imunitário ao serviço das doenças oncológicas. Aqui temos uma área terapêutica que já foi aprovada para tumores na bexiga e nas células da pele", explica.

Questionado sobre a importância dos doentes e dos cuidadores informais para a Merck, o diretor-geral da empresa em Portugal lembra que "todas as empresas farmacêuticas reclamam ter o doente no centro, mas nós vamos mais além".

"O doente deve estar ao lado da empresa na procura das melhores soluções. Importante perceber que os cuidadores informais têm uma importância insubstituível na sociedade portuguesa", aponta.

Os cuidadores informais já têm um estatuto aprovado pela Assembleia da República, no entanto, "há várias necessidades que ainda não têm resposta". A Merck está a desenvolver um inquérito para elaborar um perfil do cuidador informal, para dar resposta às necessidades.

A Merck não fabrica vacinas para a Covid-19, mas é essencial no processo de fabrico do fármaco. Pedro Moura adianta que a Merck está a apoiar mais de 50 projetos de vacinas, que passam por matéria-prima e tecnologias.

"Temos uma parceria com a Universidade de Oxford, para trabalhar numa plataforma de fabrico à escala industrial de vacinas. Por outro lado, temos também uma parceria com a Baylor College of Medicine, do Texas, que é uma instituição que trabalha connosco há muitos anos e os ensinamentos estão a ser muito úteis para otimizar os processos da vacina anti-Covid", explica.

A Merck está ainda integrada na Fundação de Bill & Melinda Gates, com quem colabora há vários anos, no desenvolvimento, produção e distribuição de soluções terapêuticas.

Além das vacinas, Pedro Moura admite que a Merck está também interessada "no tratamento da patologia Covid". "Aderimos ao programa Care, que é um programa que pega em soluções para outras patologias, e tenta redirecionar-se para a Covid. Estamos a trabalhar em várias áreas", aponta.

Em Conversa com Mentes Curiosas é uma parceria da TSF com a Merck, que dá a conhecer o trabalho que se faz na área da saúde em Portugal, as necessidades dos doentes, dos seus cuidadores e o contributo da Merck para melhorar a vida dos doentes. Desde as dificuldades dos casais em concretizarem o sonho de ter um filho, à realidade do cancro em Portugal, passando pela esclerose múltipla e a imunologia.

Nesta rubrica partilharemos as histórias e as realidades dos doentes, as perspetivas de médicos, da indústria e das associações, porque ideias brilhantes nascem de mentes curiosas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de