Alentejo empenhado em reduzir a pegada de carbono

O Alentejo já implementa boas práticas ambientais, mas quer mais. Quer sensibilizar e defende ações integradas entre municípios para aproveitar os recursos naturais da região.

O valor a pagar pela pegada de carbono é alto e o Alentejo não quer continuar a pagar esse preço.

Por isso, são necessárias "boas práticas em matéria ambiental", que, de resto, a região já pratica, defende, orgulhoso, à TSF, Ricardo Pinheiro, presidente da câmara municipal de Campo Maior, um dos intervenientes na conferência "Desafios e Oportunidades para o Desenvolvimento Sustentável".

A conferência, que decorreu esta quarta-feira na vila alentejana, teve como objetivo perceber como é que os fundos comunitários podem ser otimizados no sentido das instituições públicas e privadas conseguirem baixar a pegada carbónica. Até porque, e uma vez que as emissões de CO2 estão na agenda do dia à escala regional e mundial, "é preciso dar espaço para que o consumo energético comece a baixar, de uma vez por todos", sublinha o responsável.

O Alentejo tem contribuído como pode: para já, estão a ser renegociados os contratos de concessão com a EDP". Mas Ricardo Pinheiro considera que é preciso mais. Para além da sensibilização, defende "ações integradas entre municípios e consigam implementar excelentes práticas onde estes contratos possam dar um exemplo do ponto de vista ambiental."

Este é o "grande" desafio. "Falamos de luminárias led, de produção de energia fotovoltaica e de aproveitar todos os recursos naturais no sentido de se conseguirem introduzir as energias renováveis", conclui o responsável.

* com Fernando Alves

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de