Ambiente

Ambientalistas revoltados e incrédulos com decisão sobre furo em Aljezur

Plataforma Algarve Livre de Petróleo condena a decisão da Agência Portuguesa do Ambiente de dispensar de estudo de impacto ambiental a prospeção de petróleo ao largo de Aljezur.

A Agência Portuguesa do Ambiente (APA) considerou ser desnecessária a Avaliação de Impacto Ambiental do furo de prospeção de petróleo ao largo de Aljezur. Uma decisão "vergonhosa e injustificada", diz a Plataforma Algarve Livre de Petróleo (PALP).

A PALP pede aos cidadãos que se manifestem contra a decisão da APA e defendam o património ambiental, social e económico português.

A organização, que agrega várias associações ambientalistas, diz-se incrédula e revoltada perante a decisão da Agência Portuguesa do Ambiente de não sujeitar o furo de prospeção de petróleo de Aljezur a avaliação de Impacte Ambiental. "As pessoas que vivem nesta zona vivem da pesca e do turismo. Como é que quer que as pessoas não se revoltem?", pergunta Ana Matias, da PALP

Esta ambientalista lembra que os argumentos da APA caem por terra dando o exemplo do que aconteceu no Golfe do México, onde foi na fase de prospeção que se deu o enorme derramamento cujos efeitos devastadores ainda persistem. "Se a APA existe para defender o ambiente e os cidadãos o que é que se está a passar? Obviamente, vamos impugnar o parecer da APA".

A Plataforma Algarve livre de Petróleo acusa a Agência Portuguesa do Ambiente de ignorar a vontade de milhares de cidadãos na Consulta Pública e o governo de estar conivente com as petrolíferas e defender o interesse privado em detrimento do público.