Tailândia

Equipa médica retira 915 moedas do estômago de tartaruga

A tartaruga marinha verde, que tem a alcunha de "Banco", estava a morrer devido a uma infeção causada pelas moedas.

A superstição de atirar moedas para fontes e lagos para dar sorte quase matou uma tartaruga marinha, de uma espécie em vias de extinção, na Tailândia, que acumulou mais de 900 moedas no estômago, removidas entretanto por veterinários.

A tartaruga marinha fémea, que ganhou a alcunha de "Banco", estava a morrer de uma infeção causada pela rotura da sua carapaça ventral, causada pelos cinco quilos de peso das moedas.

A operação à tartaruga marinha verde, de 25 anos, foi feita por uma equipa de veterinários de Banguecoque, cirurgiões da Faculdade de Veterinária da Universidade de Chulalongkorn.

As 915 moedas formaram uma bola no estômago do animal e os especialistas não a conseguiram remover inteira pela incisão de 10 centímetros que tinham feito. Assim, demoraram quatro horas a extrair poucas moedas de cada vez, muitas delas parcialmente corroídas ou já meio dissolvidas.

"O resultado é satisfatório. Agora até que ponto vai a recuperação já depende da 'Banco'", declarou Pasakorn Briksawan, um dos elementos da equipa.

A tartaruga vai ficar em dieta líquida nas próximas duas semanas.

Muitos tailandeses acreditam que atirar moedas às tartarugas traz longevidade e foi isso mesmo que ao longo de vários anos fizeram que visitava o lago onde vivia a tartaruga "Banco", na cidade de Sri Racha (Leste da Tailândia).

Uma tartaruga marinha verde - uma espécie em risco de extinção - tem uma esperança média de vida de 80 anos, disse Roongroje Thanawongnuwech, reitor da Faculdade de Veterinária da Universidade de Chulalongkorn.

O caso desta tartaruga - encontrada já em más condições pela Marinha tailandesa - foi tornado público no mês passado, tendo sido recolhidos quase 15 mil baht (428 dólares) em donativos para pagar a cirurgia.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.