Sever do Vouga lidera lista de municípios com pior desempenho no saneamento

Sever do Vouga tem apenas 22% de taxa de acessibilidade física ao serviço e 57% de adesão, seguido de Oliveira de Azeméis, segundo uma lista elaborada pela Zero.

A Associação Sistema Terrestre Sustentável - Zero analisou o relatório da Entidade Reguladora dos Serviços de Água e Resíduos (ERSAR) para 2014 e desagregou-os por município na área do saneamento em baixa (recolha e drenagem de águas residuais), e cruzou a informação relacionada com acessibilidade física do serviço de saneamento, ou seja, serviços disponíveis para as populações, e adesão ao serviço, ou a ligação efetiva ao sistema.

No ranking da Zero, devido ao resultado da conjugação daqueles dois fatores, o primeiro lugar é ocupado por Sever do Vouga, seguido de Oliveira de Azeméis, com 43% de acessibilidade e 55% de adesão ao serviço, Paredes de Coura 64% e 45%, respetivamente, e Vouzela (33% e 62%).

"Verificamos que são os municípios com pior desempenho global que têm fracas taxas de acessibilidade e também de adesão", disse hoje à agência Lusa Carla Graça da Zero, acrescentando que "existem muitas disparidades ao longo do território nacional, nomeadamente ao nível da taxa de cobertura, de acessibilidade física ao serviço".

A especialista referiu uma exceção - Castro Daire, "que supostamente tem uma taxa de acessibilidade considerável de 82% mas a taxa de adesão é 36,2%, o que quer dizer que uma grande parte do esforço de investimento não está a ser utilizado".

Na análise para cada um dos fatores, "nos municípios, aquele que tem menos acessibilidade é Castelo de Paiva com 11%, e há de facto muito trabalho a fazer", disse Carla Graça.

"Cerca de um terço dos 278 municípios do continente têm uma taxa de acessibilidade física ao serviço de 90%, o que é excelente, destes 13 têm cobertura total, incluindo municípios rurais, como Alter do Chão ou Fronteira, Santa Marta de Penaguião, Vila Flor e Tabuaço, o que desmistifica esta moção de que apenas municípios com alguma escala conseguem ter bons serviços", realçou a especialista da Zero.

Ao contrário, disse Carla Graça, são 41 os municípios com taxas de cobertura inferior a 50% "o que é lamentável ao fim destas décadas de esforço e de investimento no saneamento em Portugal e alguns deles são urbanos, como Felgueiras ou Penafiel".

Quanto à adesão, as taxas mais baixas registam-se em zonas rurais, com exceção para Estarreja (57%), sendo a lista liderada por Góis (30%), seguida de Castro Daire (36%), Paredes de Coura (45%) e Penafiel (51%).

Apesar de "não ser obrigatório fazer estas ligações, [a sua ausência] comporta insustentabilidade e ineficiência para os sistemas e até eventuais riscos de contaminação, situações que requerem maior controlo em termos de fiscalização, mas também incentivos para que as pessoas se liguem", defende a Zero.

O relatório da ERSAR refere taxas de acessibilidade física ao serviço de 97% nas áreas predominantemente urbanas, 78% nas medianamente urbanas e 70% nas rurais.

A Zero apela a que "haja maior reporte de dados desagregados por municípios e que a entidade reguladora faça cumprir a norma" relacionada com esta tarefa já que 14 concelhos não reportaram dados à ERSAR.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de