Um segundo Almaraz? O caso da mina espanhola que está a preocupar Portugal

A poucos quilómetros da fronteira de Espanha com Portugal, em Retortillo, está a nascer uma exploração de urânio polémica. Uma delegação de deputados portugueses visita o local esta segunda-feira.

A mina de urânio a céu aberto em Retortillo, Salamanca, está a preocupar os deputados portugueses e esta segunda-feira, uma delegação de 10 representantes de todos os partidos vai visitar o local e encontrar-se com autarcas e representantes políticos de várias entidades espanholas.

Pedro Soares, deputado do Bloco de Esquerda e presidente da Comissão de Ambiente, explica à TSF que o impacto ambiental deste tipo de explorações é transfronteiriço, ou seja, terá consequências também para Portugal. O deputado lembra que, por isso, Espanha estaria obrigada a acionar o mecanismo de avaliação ambiental partilhada com Portugal, o que não se verifica.

O governo português já pediu informações ao governo espanhol sobre esta matéria, mas ainda não teve resposta.

"Em tudo faz lembrar o caso de Almaraz, em que as autoridades espanholas avançaram para a construção do armazém de resíduos nucleares sem contactar as autoridades portugueses, sem envolver Portugal na avaliação de impacto ambiental", lembra Pedro Soares.

A delegação de deputados esteve reunida este domingo com autarcas portugueses da região que estão preocupados com o projeto, que pode afetar a agricultura e o turismo.

"Uma mina com o impacto brutal que esta tem, cria um efeito devastador em todo este território", defende Pedro Soares.

Os ambientalistas do outro lado da fronteira também estão preocupados. José Barrueco, da Plataforma Stop Urânio, alerta que a mina de Retortillo pode não ser a única nos planos de exploração de urânio.

"Espero o apoio de Portugal para que as minas não abram. Porque o empreendimento de Retortillo tem prevista a abertura de mais minas perto de Portugal. Em La Alameda de Gardón, Fuentes de Oñoro e Espanja. Há uma série de municípios a oeste de Salamanca, junto à fronteira", explica o ativista.

Para o próximo sábado, está já marcada uma manifestação em Salamanca, convocada pela plataforma Stop Urânio, contra a instalação e exploração da mina de urânio a céu aberto, em Retortillo.

O processo de exploração desta mina de urânio em Espanha começou em 2011. A primeira autorização de exploração da mina pela empresa australiana Berkeley surgiu em 2014. Desde aí, o processo tem tido avanços e recuos. Em julho do ano passado, a Comissão do Meio Ambiente e Urbanismo da Junta de Castilla y León considerou que o projeto tem interesse público e autorizou a utilização excecional do terreno em Retortillo.

Na localidade a cerca de 40 quilómetros da fronteira com Portugal, junto a Almeida, o projeto tem avançado. Já foram cortadas árvores e a empresa australiana tem avançado com a preparação do terreno. A Berkeley estima que a exploração arranque em 2019 e estima a criação de 450 postos de trabalho diretos na região.

Sobre o abate de árvores, outra das críticas apontadas ao projeto, a empresa garante que, assim que terminar a atividade da mina, serão repostos mais 100 hectares de carvalhos, o que representa seis vezes mais árvores do que antes da exploração.

O partido ecologista Os Verdes já questionou o ministro do Ambiente sobre o impacto ambiental da exploração de Retortillo e esta terça-feira querem agendar na próxima Conferência de Líderes, o Projeto de Resolução que recomenda ao governo que desenvolva todos os esforços junto do Estado espanhol para travar a exploração de Urânio em Salamanca.

Também o Bloco de Esquerda vai questionar o ministro do Ambiente sobre a posição do Governo português sobre esta mina de urânio a céu aberto.

O empreendimento da Berkeley em Retortillo poderá tornar-se na maior mina a céu aberto da Europa.

Para o próximo sábado, está já marcada uma manifestação em Salamanca, convocada pela plataforma Stop Urânio, contra a instalação e exploração da mina de urânio a céu aberto.

Contactado pela TSF, o ministério do Ambiente confirma que foram feitas algumas diligências sobre este assunto junto do governo de Espanha e remeteu mais esclarecimentos para o ministério dos Negócios Estrangeiros.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de