Facebook fecha 32 contas criadas para influenciar eleições nos EUA

Rede social anuncia que estas páginas eram seguidas por 290 mil perfis e gastaram mais de nove mil euros em publicidade. Objetivo: influenciar eleições intercalares de novembro. Ligação vaga à Rússia.

O Facebook anunciou que identificou e encerrou 32 páginas suspeitas de quererem influenciar as eleições intercalares marcadas para novembro nos Estados Unidos da América.

A empresa liderada por Mark Zuckerberg ainda não conseguiu identificar os criadores destas contas e afirmou que os dados já disponíveis não indiciam uma ligação direta à Rússia - com uma exceção: embora não tenham sido descobertos endereços de internet (IP) russos com ligação às páginas identificadas, houve uma que criou um evento que foi depois partilhado por uma outra conta, entretanto desativada, que por sua vez tinha sido criada pela agência russa que fez nascer perfis destinados a influenciar as eleições que colocaram Donald Trump no poder.

Este é o único fator de ligação entre a Rússia e as 32 páginas já encerradas pelo Facebook, dado que, explica a rede social, os criadores foram longe na tarefa de esconder a identidade, usando redes privadas virtuais e recorrendo a terceiros para pagar anúncios, usando técnicas mais complexas do que as páginas de origem russa identificadas nas presidenciais de 2016.

A rede social afirma aliás que está numa fase ainda preliminar da investigação e que é possível que nunca venha a identificar os criadores destes perfis.

As 32 contas criadas para influenciar os resultados das eleições intercalares de novembro eram seguidas por mais de 290 mil pessoas, fizeram um total de 9500 publicações e gastaram mais de 9 mil euros em publicidade.

O Facebook descreve a tentativa de eliminar a influência nas eleições como uma "corrida às armas" e identifica algumas dessas páginas, que tinham nomes como "Aztlan Warriors", "Black Elevation", "Mindful Being", ou "Resisters".

Estas páginas nasceram entre março de 2017 e maio deste ano e criaram mais de 30 eventos reais, incluindo manifestações. Uma delas tinha já sinalização de interesse de 2600 pessoas.

Já houve entretanto reações políticas ao anúncio do Facebook: membros dos dois partidos apontam o dedo a Moscovo e apelam à rede social que continue o trabalho de identificação, e um senador republicano promete mesmo apresentar uma proposta de medidas de retaliação.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de