Sociedade

Português recomendado por Bill Gates:"Os computadores são demasiado estúpidos" 

As máquinas não vão "destruir a humanidade" mas há perigos. O aviso é de Pedro Domingos, autor do livro que Bill Gates recomenda a quem quer saber mais sobre Inteligência Artificial.

É investigador na área da Inteligência Artificial há mais de duas décadas, professor de Ciências da Computação da Universidade de Washington e tem uma visão "otimista" sobre o que há de vir aí com a ajuda da tecnologia.

Considera que a Inteligência artificial "não tem vontade própria, não é um agente independente que se possa voltar contra nós", mas avisa que a ameaça existe porque "os computadores, tomam muitas decisões importantes sobre as nossas vidas e cometem erros porque não sabem muito, porque aprenderam a partir de dados limitados", sublinha.

"O perigo, na realidade, não é que os computadores se tornem demasiado inteligentes e tomem conta do mundo, o problema é que os computadores são demasiado estúpidos e já tomaram conta do mundo".

Foi a pensar neste tema que no ano passado lançou o livro "The Master Algorithm" (O Algoritmo Mestre), o livro que foi recomendado pelo fundador da Microsoft, Bill Gates como sendo uma obra que "toda a gente devia ler" para compreender a Inteligência Artificial.

Pedro Domingos admite que "o livro já estava a vender muito bem, mas com a recomendação de Bill Gates as vendas dispararam". O investigador explica que o livro surge porque hoje em dia todos nós devemos estar atentos à forma como lidamos com os computadores "não necessariamente ao nível dos detalhes dos algoritmos", mas na ótica do utilizador.

"É um pouco como conduzir um carro, só os engenheiros e os mecânicos é que precisam de saber como é que funciona o motor, mas toda a gente tem de saber o que é o volante e os pedais e como os utilizar", afirma.

Um algoritmo mestre "é a chave que abre todas as portas" ou seja, "tradicionalmente em informática era preciso haver um algoritmo diferente para cada aplicação", assim, "se queria fazer diagnóstico médico tinha de programar o computador para fazer diagnóstico médico, se queria que o computador jogasse xadrez, tinha de o programar para jogar xadrez, se queria que o computador guiasse um carro tinha de o programar para guiar um carro".

"A ideia do algoritmo mestre é que um só algoritmo que seja capaz de descobrir todo e qualquer conhecimento a partir dos dados", o que ainda "não existe".

Pedro Domingos foi aluno do Instituto Superior técnico, em Lisboa onde foi professor. Decidiu ir para os Estados Unidos para fazer doutoramento na área da Inteligência Artificial (aprendizagem automática) onde estavam "os melhores grupos nesta área" e por lá tenciona ficar.

Prevê que nos próximos anos sejam frequentes os "carros sem condutores, assistentes virtuais" e outras tecnologias que nos ajudem nas tarefas do dia-a-dia. O investigador não tem dúvidas de que a Inteligência Artificial representa um potencial de negócio, por isso não descarta a possibilidade de fundar uma empresa mas se assim for " será uma empresa "com o potencial de ser a próxima Facebook ou a Google".

Difícil? "É, mas a expectativa, vale a pena".

  COMENTÁRIOS