Colégios insistem que os contratos de associação continuam em vigor

O Governo avançou ontem que os colégios não apresentaram candidaturas a novas turmas. A associação que representa o ensino privado diz que não o fizeram porque não é necessário.

A Associação de Estabelecimentos do Ensino Particular e Cooperativo confirma que foram pouco mais de 30 os estabelecimentos privados que se candidataram à abertura de novas turmas no próximo ano letivo, ainda assim, o diretor, Rodrigo Queiroz e Melo diz que estas escolas aderiram às candidaturas sob protesto e porque foram "forçadas".

O responsável associativo considera ainda de "muito mau tom" a notícia ter sido veiculada com base numa fonte do Ministério da Educação. Rodrigo Queiroz e Melo mantém que os contratos de associação, assinados no ano passado como Estado, são válidos por 3 anos.

O diretor da Associação de Estabelecimentos do Ensino Particular e Cooperativo fala numa "enorme trapalhada, num processo precipitado e pouco rigoroso". Rodrigo Queiroz e Melo lembra que o concurso do ministério da Educação foi aberto "só para alguns colégios. Só se puderam candidatar aqueles que estavam previstos na reduzida lista publicitada pelo ministério".

Rodrigo Queiroz e Melo lembra que o concurso estava vedado a muitos colégios

00:0000:00

O responsável lembra que os restantes colégios, os que até ontem não apresentaram candidatura, estão a aceitar também a inscrição de alunos para novas turmas.

Rodrigo Queiroz e Melo insiste, no entanto, que "os contratos continuam em vigor", por isso não se sente obrigado a formalizar o processo.

O representante explica porque é que não é necessária a candidatura

00:0000:00

Veja também:
Governo diz que colégios não apresentaram candidaturas a novas turmas

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de