Sociedade

Alunos portugueses são mais disciplinados. Palavra de professores holandeses

Grupo de professores holandeses estão em Coimbra a tentar perceber como funciona o sistema de ensino português, que tem subido no ranking da OCDE.

Há muita disciplina nas salas de aula portuguesas, algo a que os holandeses não estão habituados.

O tempo de aula é maior do que na Holanda, mas o nível dos alunos é mais homogéneo em Portugal. Se por aqui as turmas já são grandes, no país das tulipas, no ensino básico, podem chegar aos 30 alunos. E cada turma pode ter diferentes graus de escolaridade.

São algumas das ilações tiradas por um conjunto de 11 professores do ensino básico e secundário e duas professoras universitárias holandesas, que estão em Coimbra, para perceber como funciona o sistema de ensino português, e como as práticas nacionais levaram a que Portugal subisse no ranking da OCDE.

O acolhimento está a ser realizado pela Escola Superior de Educação, do Instituto Politécnico de Coimbra e a TSF acompanhou uma das aulas em que estiveram presentes quatro destes observadores, no Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro, em Coimbra, numa reportagem que pode ouvir no áudio em anexo.

Os professores vão passar por várias escolas de Coimbra, nomeadamente a Secundária Infanta D.ª Maria, EB1 Quinta das Flores, Escola Martim de Freitas (AE Coimbra-Sul), e o AE Eugénio de Castro. Depois de dois dias a observar as aulas dos alunos portugueses, feitas as contas, não há ainda um resultado final porque a observação ainda não terminou, mas chegaram a um resultado intermédio. "Há muita disciplina aqui quando comparamos com a Holanda. As crianças estão uma hora a trabalhar, muito concentradas, e na Holanda são 45 minutos e acaba. A disciplina aqui é muito grande, mas quando olhamos para a diferença entre as crianças é a clássica, enquanto na Holanda fazemos uma abordagem individual, porque há uma grande diferença de aprendizagem entre as crianças. É a principal diferença entre aqui e o nosso país", conta John Frowis, que considera este o elenco mais positivo do que observou até ao momento.

Natália Pires, professora na ESEC, sentou-se à mesa onde foi estudado o percurso de observação que os professores holandeses estão a fazer pelas escolas de Coimbra, que pode conhecer na reportagem áudio.

Em Portugal estão 13, mas não é o único país onde observadores holandeses espreitam os sistemas de ensino estrangeiros, já que há também outra equipa no leste da Europa.