Educação

Trepar às árvores e fazer sopa de lama também é aprender

As crianças do pré-escolar passam muitas horas dentro das salas e com atividades dirigidas pelos adultos. O projeto "Limites Invisíveis" quer contrariar esta tendência.

O projeto está a ser desenvolvido pela Escola Superior de Educação, do Instituto Politécnico de Coimbra, com jardins-de-infância da cidade, na Casa da Mata, na Mata Nacional do Choupal, em Coimbra, e em parceria com a Universidade de Aveiro e o CASPAE - uma Instituição Particular de Solidariedade Social, que promove o bem-estar das crianças.

As educadoras estão sempre presentes para, sobretudo, aproveitar a exploração das crianças para produzir conhecimento.

Este projeto, "Limites Invisíveis", surgiu numa viagem à Dinamarca, em 2008, onde foram observadas as Forest Schools, as escolas na floresta, onde as crianças aprendem ao ar livre.

A TSF foi conhecer a que existe em Coimbra, na Mata do Choupal, onde as crianças constroem tendas para abrigar sardaniscas, brincam numa cozinha de lama, sobem às árvores e, quando chove, as poças de água são a principal atração. Uma reportagem que só ouvindo se percebe como o programa traz benefícios ao nível do desenvolvimento motor, cognitivo, autonomia e autorregulação das crianças.

No "Limites Invisíveis" a criança é mais livre, é mais autónoma, explora o conhecimento ao seu ritmo e baseado no seu interesse, como explica Vera do Vale, da Escola Superior de Educação de Coimbra, que monitoriza o projeto.

Os primeiros dados mostram que existem vantagens numa aprendizagem ao ar livre: motora e cognitiva. Os dados públicos da monitorização que tem sido feita nestes dois anos serão apresentados em breve.

Cada grupo de crianças passa oito semanas pela Casa da Mata, de segunda a quinta. Às sextas-feiras ficam no Jardim de Infância a trocar ideias sobre a experiência vivida.

O projeto "Limites Invisíveis" pretende complementar os programas tradicionais de educação nas salas de aulas e proporcionar às crianças a oportunidade de adquirirem competências através do contacto e exploração da natureza.