Professores portugueses são dos que mais "despejam matéria"

Tendência prejudica alunos e aumenta insucesso escolar. "Ao fim de algum tempo a ouvir-se alguém falar deixamos, naturalmente, de ouvir" e aprender.

Os professores portugueses estão entre aqueles que mais usam o chamado "método expositivo" quando dão aulas. A conclusão é do último relatório anual do Conselho Nacional de Educação, um órgão independente eleito pela Assembleia da República.

Na prática, admite a presidente do conselho em entrevista à TSF, é o célebre "despejar matéria" a alunos que estão "passivamente", sem qualquer intervenção, a ouvir o professor.

Maria Emília Brederode Santos sublinha que Portugal e a Irlanda são os países desenvolvidos (da OCDE) onde mais se usa o método expositivo, o que também ajuda a explicar as dificuldades de muitos alunos e as elevadas taxas de reprovação que ainda existem no país, sem ter em conta outras formas de ensino que podem ser bem mais eficazes.

A responsável do Conselho Nacional de Educação sublinha que usar muito este método não é eficaz pois "ao fim de algum tempo a ouvir-se alguém falar deixamos, naturalmente, de ouvir".

Os docentes portugueses usam pouco atividades ou métodos de cariz mais prático, sendo o uso das aulas mais expositivas algo que acontece independentemente da idade dos professores o que mostra que esta é, sobretudo, uma prática enraizada na cultura escolar do país.

Maria Emília Brederode Santos explica que os professores justificam-se dizendo que o problema está na quantidade de matéria que têm de dar aos alunos em cada ano lectivo, mas "a verdade é que mais importante que dar o programa é que o aluno aprenda, pelo que se calhar é necessário rever os programas centrando-os em conteúdos essenciais, algo que o governo estará a fazer".

O último relatório anual do Estado da Educação sublinha ainda que Portugal continua com taxas de retenção acima da média da OCDE e europeia, falando mesmo numa "cultura da retenção" ou do chumbo que ao contrário do que se pode pensar não ajuda os alunos a melhorarem nos anos lectivos seguintes, algo que segundo a especialista se vê bem nos números do relatório.

Finalmente, o documento destaca um aumento, o primeiro desde pelo menos 2007, da taxa de abandono precoce da educação e formação: 14% em 2016 depois de ter chegado a 13,7% em 2015, ou seja, bastante acima da meta europeia definida para 2020.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de