PSD acusa Governo de discriminar professores no descongelamento de carreiras

Os sociais-democratas afirmam que o Executivo defraudou e discriminou os professores em relação aos restantes funcionários públicos no descongelamento de carreiras.

A vice-presidente do PSD Margarida Mano salientou, no Fórum TSF e, mais tarde, na Assembleia da República, que foi assumido um compromisso entre o Governo e os sindicatos para a contagem do tempo de serviços dos professores que "foi determinante para a aprovação do Orçamento do Estado pelos partidos que apoiam o Governo".

"Da parte do Governo, há o assumir de que o compromisso assinado e que determinou a votação do Orçamento do Estado não será respeitado", criticou.

O PSD, numa nota enviada à imprensa, acusa mesmo o Ministro da Educação e o Governo de "enganar e defraudar os professores".

"Este governo, depois de criar expectativas relativamente à contagem de tempo e reposições, discrimina os professores em relação aos restantes funcionários públicos. O descongelamento das carreiras não é igual para todos. O tempo para os professores conta de forma diferente", criticam os sociais-democratas.

Margarida Mano sublinhou que, relativamente ao descongelamento, os sociais-democratas mantêm a posição de princípio: "Os descongelamentos deveriam ser feitos respeitando princípios de equidade e universidade" e "de forma gradual", para não pôr em causa a sustentabilidade das contas públicas.

Quanto à reivindicação dos professores de que seja contado todo o tempo de serviço desde que se iniciou o descongelamento, Margarida Mano concordou, mas alertou que "não há varinhas mágicas". "O PSD não é Governo, não tem na sua posse elementos para saber quais os valores em causa", disse, defendendo que "qualquer processo tem de passar pelo diálogo".

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de