Turismo

2% das casas de Lisboa são alojamento local. Hoteleiros desconfiam

Números oficiais levantam muitas dúvidas aos hoteleiros que dizem que metade do alojamento local no país para turistas foge ao "radar" do Estado.

Cerca de 2% das casas do concelho de Lisboa estão registadas como alojamento local. Um número que representa perto de metade dos 4,3% do Algarve ou pouco mais do que os 1,7% do Porto.

As contas são feitas com base nos registos oficiais divulgados pelo Turismo de Portugal e no número de casas contabilizadas pelo Instituto Nacional de Estatística, numa altura em que a Associação da Hotelaria de Portugal apresenta esta terça-feira um estudo que defende que é de 40% a diferença entre os alojamentos disponibilizados no site Airbnb e os efetivamente contabilizados pelo Estado.

Ao todo, os dados consultados pela TSF no Turismo de Portugal revelam que existem no país 35 mil alojamentos locais oficialmente registados, o que significa 0,6% do total de apartamentos e moradias. Destes, 16.240 ficam no Algarve, 6.453 no município de Lisboa e 2.322 no Porto.

O presidente da Associação Nacional de Proprietários também acredita que metade dos arrendamentos de curta duração não estarão registados e que os mais de seis mil do concelho de Lisboa estão sobretudo concentrados no centro histórico.

Para António Frias Marques, a lei que está agora a concluir dois anos está a ter sucesso, mas é muito difícil conseguir chegar a todos os proprietários ou inquilinos que arrendam uma casa ou parte dela a turistas.

Ao contrário da Associação Nacional de Proprietários, o presidente da Associação Lisbonense de Proprietários contesta os números do estudo da Associação da Hotelaria de Portugal e garante que a lei tem tirado milhares de casas da clandestinidade.

Menezes Leitão argumenta que é impossível conhecer todas as casas de alojamento local que fogem ao registo oficial e acredita que a grande maioria estão hoje registadas e pagam impostos numa altura em que o próximo Orçamento do Estado vai fazer disparar o valor pago pelos proprietários ao Estado.

  COMENTÁRIOS