Governo Sombra

A preguiça de Ricardo Araújo Pereira, o iate do professor de 8º ano e os "primarios"

A reunião do Governo Sombra arrancou preguiçosa, mas a procrastinação ativa dos comentadores deu origem a um neologismo: "primário". Veja os melhores momentos do programa de sexta-feira aqui.

Há muito quem defenda novos modelos de trabalho, mas pouco quem lute pela preguiça. Ricardo Araújo Pereira é um dos fervorosos adeptos deste 'pecado mortal', mas confessa que nada faz para torná-lo socialmente aceitável.

"Eu acho a preguiça muito superior [ao trabalho]. E é muito mais difícil ser preguiçoso, por causa da vergonha associada, do estigma social. A preguiça tem mau nome, porque os preguiçosos têm preguiça de a defender.", explanou o humorista na última reunião do Governo Sombra gravada no Jardim Botânico Tropical, em Lisboa, no âmbito da conferência "O trabalho dá que pensar", da Fundação Francisco Manuel dos Santos.

Noutro plano, as declarações de Valdemar Alves, Presidente da Câmara de Pedrógão Grande, em relação às buscas e suspeitas de irregularidades no caso das reconstruções de casas em Pedrógão Grande deram origem a um neologismo, inventado por RAP: "primario".

O presidente do concelho afetado pelos fogos do ano passado disse, esta semana, que não existia "compadrio" a propósito das buscas relacionadas com as eventuais fraudes na reconstrução da casas de Pedrógão Grande: "São terras pequenas, somos poucos habitantes, todos somos primos e primas, todos somos colegas e não há compadrio nenhum, não pode haver. Poderá haver coincidências, admito que haja coincidências que foram referidas mas nunca compadrios"

A propósito destas declarações de Valdemar Alves, Pedro Mexia considerou "maravilhoso" o jogo "entre a premissa e o corolário".

Quanto ao relatório da OCDE que dá conta que os professores ganham mais 35% do que a média dos trabalhadores qualificados​​​​​​ , Ricardo Araújo Pereira ironizou: "Eu lembro-me de estar no iate de um amigo meu que é professor de História no oitavo ano e ele puxa uma fumaça do seu cohiba e diz-me: 'Ricardo, a melhor coisa que fiz na vida foi enveredar por esta carreira de professor. Tive oportunidade de ir para corretor da bolsa, mas aqui é que se saca a sério.'"

​​​​

  COMENTÁRIOS