112

Açores tem o melhor 112 da Europa

O Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores (SRPCBA) venceu hoje o prémio '112 Awards 2017', que distingue os melhores sistemas do número de emergência europeu.

"Com esta distinção, os Açores afirmam-se também internacionalmente como um destino turístico seguro", frisou o secretário regional da Saúde, Rui Luís, numa nota divulgada pelo Gabinete de Apoio à Comunicação Social do Governo Regional.

O prémio, atribuído pela EENA (European Emergency Number Association - Associação Europeia dos Números de Emergência, em português), foi anunciado numa cerimónia realizada em Budapeste, na Hungria, em que participou o presidente do SRPCBA, Carlos Neves.

O sistema implementado nos Açores foi nomeado na categoria 'Remarkable Public Safety Answering Point (PSAP) Achievement', que visa reconhecer um feito extraordinário na área das chamadas de emergência que contribua para a segurança dos cidadãos e para o progresso da segurança pública.

Segundo Rui Luís, o sistema de gestão, despacho e comunicação utilizado nos Açores distinguiu-se pela sua dispersão geográfica e pela resposta que dá à população de todas as ilhas em situações de emergência.

"O que se destacou foi a forma de organização de um modelo 112, num arquipélago, centralizado numa ilha, que é o caso da ilha Terceira, mas que está ramificado para todas as ilhas e preparado para acorrer a qualquer situação, seja de emergência médica, seja na eventualidade de uma catástrofe. O que foi reconhecido a nível europeu é que este sistema é suficiente e bastante integrante para acorrer a uma qualquer emergência numa região como a nossa", salientou.

Localizada na sede do SRPCBA, em Angra do Heroísmo, a linha de emergência médica 112 nos Açores tem associada a triagem telefónica de Manchester, um sistema integrado de aconselhamento e o apoio e a gestão de evacuações médicas aéreas e marítimas.

Em setembro de 2016, foi implementada uma nova rede de telecomunicações digital, que veio permitir a geolocalização de todos os equipamentos e uma maior fiabilidade em caso de catástrofe.

"Numa região arquipelágica como a nossa é fundamental que haja um sistema seguro e esse sistema, o 112, abarca não só o transporte terrestre de doentes dentro das ilhas, as evacuações aéreas, a preparação e aconselhamento para situações de acesso aos hospitais e a preparação para a eventualidade de uma catástrofe", frisou Rui Luís.

A EENA integra mais de 1.300 representantes de serviços de emergência de oito dezenas de países, 90 soluções, 11 associações e organizações internacionais, mais de 200 deputados do Parlamento Europeu e cerca de uma centena de investigadores.