Sociedade

Agricultores pedem indemnizações muito abaixo dos prejuízos que tiveram

Burocracia leva agricultores a fugirem dos processos que envolvem valores mais elevados.

A Associação de Vítimas do Maior Incêndio de Sempre em Portugal garante que muitos agricultores atingidos pelos fogos de outubro apresentaram valores de prejuízos muito abaixo dos prejuízos que tiveram para evitarem a burocracia prevista para os pedidos de apoio superiores a 5 mil euros. É assim, salienta o presidente, Luís Lagos, que muitos fugiram a processos burocráticos.
À TSF, o representante das vítimas acusa o governo de falta de apoio e, sobretudo, de informação, adiantando que tem sido a associação a ter de esclarecer os afetados de todos os passos que têm de dar para ter os prometidos apoios do Estado

Luís Lagos pede "proximidade" e "informação" aos serviços do Estado.

Luís Brito, agricultor de Oliveira do Hospital e outro membro da associação de vítimas, confirma a burocracia e explica que no seu caso teve prejuízos superiores a 100 mil euros com 30 hectares de oliveiras destruídos pelas chamas.
Apresentou uma candidatura e pedido de apoio ao Estado, mas está convencido que vai ter de a abandonar porque as exigências foram enormes.

Os incêndios de 15 e 16 de outubro queimaram perto de 200 mil hectares, um recorde em tão pouco tempo em toda a história do país, e fizeram mais de 40 mortos.