Sociedade

Bairro da Torre há um ano sem luz. "A lei não resolve o problema das pessoas"

A denúncia foi feita na Manhã TSF pelo missionário comboniano José Manuel Duarte. O Bairro da Torre, junto ao aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, não tem eletricidade há mais de um ano.

José Manuel Duarte, missionário que trabalha com a comunidade africana no Bairro da Torre, às portas de Lisboa, lembra que a luz foi cortada em outubro do ano passado, por problemas legais. Até hoje, o problema não foi solucionado.

"Não se consegue resolver", explica José Manuel Duarte, que lembra que "as pessoas passaram o inverno cheias de frio, já há um ano. Há crianças, há bebés, há pessoas que precisam até de bomba de oxigénio por problemas de saúde. Muitos deles não têm sequer casa de banho, ao lado do aeroporto."

O missionário critica aqueles que só se preocupam unicamente com o cumprimento da lei. "A lei não resolve o problema das pessoas", afirma.

O Bairro da Torre fica em Camarate, no concelho de Loures.

Na Manhã TSF, entrevistado por Fernando Alves, José Manuel Duarte chama a atenção para o problema da comunidade cigana. "Esteve mais de quatro anos sem água. É uma comunidade migrante em Portugal há 500 anos e ainda não estamos preparados para inseri-los e fazê-los verdadeiramente portugueses."

O irmão José Manuel Duarte, dos Missionários Combonianos, denuncia problemas graves nas comunidades imigrantes em Portugal. "A maioria dos migrantes que chega a Portugal não entra dentro do estatuto de migrantes e não tem ninguém que os acompanhe", conta, "esse para mim é o caso crítico em Portugal - são famílias que chegam por diferentes razões (juntas médicas ou à procura de melhores condições de vida), mas depois não há quem os acompanhe. Ficam ao abandono."

Contactado pela TSF, o presidente da câmara de Loures sublinha que a resolução do problema terá de passar pelo realojamento das famílias que vivem atualmente no bairro. Bernardino Soares explica, no entanto, que não poderá ser a autarquia sozinha a avançar. Falta capacidade financeira à câmara e, por isso, é necessária a intervenção da administração central.

Bernardino Soares reconhece os problemas dos moradores do Bairro da Torre. Enquanto não for possível avançar com o realojamento, defende que a EDP deve firmar contratos com os moradores. A Assembleia da República aprovou uma recomendação que permite que estes contratos possam ser celebrados mesmo em bairros ilegais. Até agora o governo não aprovou legislação.

  COMENTÁRIOS