Conselho de Opinião da RTP não vai justificar chumbo do Provedor do Ouvinte

O Conselho de Opinião da RTP diz não ser possível fundamentar votação que chumba o nome de João Paulo Guerra como novo Provedor do Ouvinte das rádios da empresa pública.

O Conselho de Opinião da RTP concluiu hoje "não ser possível fundamentar" o 'chumbo' do nome do jornalista João Paulo Guerra para Provedor do Ouvinte, sendo o resultado da votação enviado à administração "sem a exigida fundamentação".

O Conselho de Opinião da RTP tinha convocado com urgência um plenário para hoje sobre o 'chumbo' de João Paulo Guerra.

Em comunicado, aquele órgão adiantou que, tendo reunido para deliberar sobre a fundamentação da votação havida, no dia 20 de janeiro último, sobre o candidato a provedor do ouvinte, senhor João Paulo Guerra, o Conselho de Opinião da Rádio e Televisão de Portugal, concluiu hoje não ser possível fundamentar esse voto em cumprimento do disposto do n.º 5 do artigo 34.º dos Estatutos da empresa".

Por isso, "foi aprovado pelos conselheiros -- por unanimidade e aclamação -- o envio ao Conselho de Administração [da RTP] do resultado da votação, desfavorável ao candidato, sem a exigida fundamentação".

Na votação para Provedor do Ouvinte, João Paulo Guerra, que foi indigitado pela administração da RTP, obteve 15 votos contra, 12 a favor e um em branco.

Em 24 de janeiro, em declarações à Lusa, o presidente da RTP, Gonçalo Reis, disse que a empresa não ira mudar a sua posição porque "continua a achar que João Paulo Guerra reúne excelentes condições para ser provedor do ouvinte".

O 'chumbo' do nome indigitado para provedor do ouvinte gerou várias reações, entre as quais a do PCP, que exigiu, através da comissão parlamentar de Cultura, Comunicação, Desporto e Juventude, um parecer fundamentado ao Conselho de Opinião sobre o 'chumbo'.

Gerou ainda alguma polémica junto de alguns membros do Conselho de Opinião e motivou uma posição do provedor do telespetador, Jorge Wemans, que afirmou estar "atónito e profundamente chocado" com o resultado da votação.

O mandato da Provedora do Ouvinte, Paula Cordeiro, terminou no início do verão passado.

João Paulo Guerra é jornalista desde 1962, tendo passado pela rádio - atualmente é colaborador da Antena 1 -, pela televisão e imprensa.

Este foi o segundo nome a ser "chumbado" para aquele cargo pelo Conselho de Opinião, depois de no final de novembro ter votado contra Joaquim Vieira, presidente do Observatório de Imprensa.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de