dia da criança

Crianças fazem "gosto" às novas tecnologias

Telemóveis, tablets e computadores fazem parte do dia-a-dia das crianças. Em casa, na escola ou no carro, do 1.º ao 3.º ciclo do ensino básico.

O que muda de uma criança acabada de entrar para a escola para outra a entrar na adolescência é a finalidade com que utilizam as novas tecnologias. Os mais pequenos recorrem à Internet para ver vídeos, jogos e até dizem que o fazem para estudar. Já os mais velhos servem-se das novas tecnologias sobretudo para as redes sociais.

Tirar fotografias, partilhá-las e "coisas assim". É para isso que servem as novas tecnologias, dizem as crianças, mas se não as houvesse o Daniel, de 13 anos, tinha solução: corria e andava de bicicleta.

Da mesma turma do 8.º ano, a Carolina utiliza telemóvel, utiliza sempre, sobretudo para dizer "sim" às redes sociais, mas na sala de aula mudam as regras. "Na sala o telemóvel fica de parte. Só nos tempos livres uso redes sociais, para falar com os amigos e partilhar coisas".

Entre os mais novos muda a intensidade de utilização das novas tecnologias e muda a finalidade.
A Inês Góis, do 4º ano, é exemplo disso: "vou pesquisar vídeos, músicas e para jogar", diz.

Descemos no ano escolar para encontrar o Gaspar Bernardes, que frequenta o 3º ano, mas não mudamos o discurso. "É muito bom. Estou sempre no YouTube e às vezes jogo futebol, mas nunca jogos de armas".

E precisa uma criança de 9 anos de ajuda para ir à Internet? "Vou sozinho à Internet, já sei aquilo tudo".

As tecnologias ocupam lugar na primeira fila entre os mais novos. No 2.º ano, o João Luís explica o que faz com um computador. "Pesquisar coisas de futebol e de hóquei. Também já utilizo o computador na escola, de vez em quando".

O psiquiatra Vítor Cotovio, não contesta a relevância das tecnologias que privilegiam o virtual, desde que não substitua na totalidade o brincar real.

Já Margarida Cordo é muito crítica da utilização de redes sociais pelos mais novos. A psicóloga lembra que ainda não têm a maturidade necessária.

Vítor Cotovio assina, diariamente da TSF, a rubrica Pensamento Cruzado, com Mésicles Helin e Margarida Cordo.

Veja também:
A escola "é fixe". Mesmo com sono