Solidariedade

Há "pessoas que trabalham por amor à causa, não andam em carros de luxo"

"A maior parte das instituições em Portugal são referências", disse à TSF a presidente do Instituto de Apoio à Criança, Dulce Rocha.

O caso de alegada gestão danosa na associação Raríssimas não deve abalar a confiança dos portugueses nas instituições de solidariedade social, apela a presidente do Instituto de Apoio à Criança (IAC), Dulce Rocha.

A antiga procuradora da República lembra que há em Portugal "instituições com trabalho muito válido e muito rigor", conduzidas por "pessoas trabalham por amor à causa, não andam em carros de luxo".

Isto não invalida que os portugueses sejam vigilantes. O trabalho de fiscalização das instituições que acolhem ou trabalham com crianças não pode ser deixado apenas à segurança social, defende.