Jornal Público abre programa de rescisões

Programa de rescisões voluntárias faz parte de uma reestruturação que inclui o fim da publicação da revista 2.

O jornal Público abriu um programa de rescisões voluntárias, a que os trabalhadores podem aderir até 06 de janeiro próximo, no âmbito de uma reestruturação mais alargada, que inclui o fim da publicação da revista 2 já em janeiro.

A administração do Público enviou hoje uma carta aos trabalhadores, a que a Lusa teve acesso, na qual fala nas dificuldades de viabilidade que o jornal enfrenta e na necessidade de reduzir custos, o que passa por um programa de rescisão voluntária.

"Para o efeito e num primeiro momento, convidamos os nossos trabalhadores e outros colaboradores a avaliarem e decidirem da oportunidade de cessação da respetiva relação contratual, por acordo e em condições financeiras mais favoráveis do que as previstas na lei", lê-se do documento, que acrescenta que os trabalhadores podem aderir ao programa de rescisões até 06 de janeiro, sendo objetivo da empresa concluir esse processo até ao dia 15.

A carta diz ainda que, uma vez que a necessidade de reduzir custos com pessoal é um "objetivo inelutável", a empresa "não põe de parte a necessidade de recorrer a outras medidas para cumprir o mesmo propósito, caso a execução do plano agora dado a conhecer não atinja dimensão adequada às necessidades de reestruturação".

Outra das medidas que vão avançar desde já é "o termo da publicação impressa da Revista 2 prevista para o início do próximo mês de janeiro", com a administração a dizer que a poupança conseguida não é suficiente, motivo pelo qual se vê "por isso forçada a prosseguir com a restruturação do Público, para obter também redução de custos com pessoal".

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de